Estatização de papel-jornal chega à Câmara argentina

A Câmara de Deputados debatia ontem o projeto de lei do governo da presidente Cristina Kirchner que declara de "interesse público" a produção, comercialização e distribuição do papel-jornal, para a oposição, uma "estatização disfarçada" do insumo. Tudo indicava que o projeto seria aprovado de madrugada na Câmara, onde o governo, desde o dia 10, conta com maioria. Hoje, o projeto será encaminhado para o Senado, de maioria kirchnerista, que votará o projeto na próxima semana. O alvo da medida é a empresa Papel Prensa, única fábrica de papel-jornal da Argentina. A aprovação do projeto de lei prejudicará os jornais "Clarín" e "La Nación", críticos do governo, que possuem respectivamente 49% e 22,49% das ações da Papel Prensa. O Estado é o segundo acionista, com 27,6%. / A.P.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.