Divulgação
Divulgação

Estátua de Anne Frank divide espaço com as de personalidades em Berlim

No museu de cera, obra retrata período anterior ao qual a família da menina teve de se esconder em Amsterdã durante a ocupação nazista na Holanda

Renata Miranda, especial para o estadão.com.br,

03 de abril de 2012 | 14h31

BERLIM - Uma garota de pele pálida, com os cabelos soltos e um sorriso esperançoso nos lábios convive desde o início de março com figuras importantes da política internacional e celebridades reconhecidas mundo afora em uma das regiões mais nobres da capital alemã.

A jovem, vestida de maneira simples, está em um quarto pouco iluminado, cercada por suas revistas e livros favoritos. Sentada, ela tem às suas mãos o diário que a deixou famosa e que justifica sua presença na filial de Berlim do museu de cera Madame Tussauds.

A estátua de Anne Frank tenta retratar o período anterior ao qual sua família teve de se esconder em Amsterdã durante a ocupação nazista na Holanda. "Para nós, o mais importante era transmitir um quadro completo", disse ao Estado Nina Zerbe, porta-voz do museu. "Queríamos mostrar Anne Frank no contexto no qual ela vivia."

O processo de criação da estátua, no entanto, fugiu das regras convencionais adotadas pelo museu. Os artistas responsáveis pelas estátuas do Madame Tussauds normalmente conhecem pessoalmente quem deverão retratar para, dessa maneira, tentar transmitir um pouco da essência da personalidade da pessoa para a estátua.

No caso de Anne Frank o processo foi ainda mais complicado porque as últimas fotos tiradas da jovem eram anteriores ao período em que ela ficou escondida com a sua família.

Assim, o museu trabalhou diretamente com o Centro Anne Frank em Berlim e usou seu famoso diário como fonte de pesquisa. De acordo com Nina, relatos de amigos da jovem também foram essenciais para criar sua figura de cera.

A estátua foi feita por uma equipe em Londres e contou com a ajuda de pesquisadores que estudaram documentos e artefatos históricos relacionados ao período em que Anne Frank viveu.

Depois de pronta, cinco especialistas independentes verificaram os detalhes da estátua e do quarto onde ela foi colocada para exibição em Berlim.

Para Nina, a figura da jovem tem um significado especial para o museu e ela acredita que sua permanência no local é importante para passar a história adiante para os milhares de jovens que visitam o local diariamente.

"Pode ser que muitos estudantes venham aqui só por causa das estátuas de estrelas da música e de Hollywood, mas uma vez que eles estão aqui podemos mostrar a história e a política em um nível diferente", explicou a porta-voz. "Levamos a sério a nossa responsabilidade em mostrar as pessoas que influenciaram e mudaram o mundo - tanto para o bem como para o mau." 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.