Sam Thomas/Orlando Sentinel via AP
Sam Thomas/Orlando Sentinel via AP

Estátua dourada foi maior atração de evento com Trump

Participantes da CPAC fizeram filas para fotos com escultura do ex-presidente

Redação, O Estado de S.Paulo

01 de março de 2021 | 04h00

ORLANDO, EUA - O ex-presidente republicano Donald Trump reapareceu publicamente neste domingo, 28, para discursar na Conferência de Ação Política Conservadora em Orlando, na Flórida, menos de seis semanas após deixar o cargo. O bilionário atacou o presidente Joe Biden, repetiu afirmações infundadas de que foi vítima de fraude durante as eleições de 2020 e insinuou que poderá disputar a presidência novamente em 2024, mas a grande atração do evento foi réplica sua.

Tommy Zegan, um fiel apoiador de Donald Trump, inconformado com o fato de não haver estátuas do ex-presidente, criou uma imagem de fibra de vidro de quase dois metros de altura dele e pintou de dourado.

A estátua de Zegan carrega uma varinha mágica na mão esquerda, uma referência à piada de Barack Obama em 2016 sobre a necessidade de Trump usar magia para trazer de volta os empregos na manufatura. Ela está vestida com um paletó, gravata vermelha, shorts com bandeira americana e chinelos – “porque tecnicamente ele deveria estar aposentado”, explicou Zegan.

“Ele está vestindo um terno porque é um empresário. A gravata vermelha representa o Partido Republicano, os shorts vermelhos branco e azul representam o fato de que ele é um patriota”, disse Zegan ao New York Post.

O produto final, intitulado “Trump e sua varinha mágica”, esteve entre as atrações mais populares da Conferência de Ação Política Conservadora (CPAC) deste ano em Orlando, Flórida. Os participantes se aglomeraram no salão onde eram vendidos souvenirs do evento para fotos com a escultura dourada.

“Definitivamente não é um ídolo”, insistiu Zegan. “Um ídolo é algo que alguém adora e faz reverências. Esta é uma escultura. São duas coisas diferentes”, disse, explicando que foi pastor por 18 anos.

A estátua foi construída no México, país para o qual Zegan se mudou recentemente. Ele disse ao site Politico que levou mais de seis meses para terminá-la com a ajuda de três homens em Rosarito, México. / NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.