REUTERS/Juan Medina
REUTERS/Juan Medina

Estímulo a diferenças culturais alimentou desejo de independência na Catalunha

Objetivo era unir uma sociedade exposta a sucessivas ondas de imigração, mas o resultado foi uma identidade nacional exaltada que estimulou o nacionalismo

O Estado de S.Paulo

29 Setembro 2017 | 13h02

BARCELONA - O objetivo era unir uma sociedade exposta a sucessivas ondas de imigração. O resultado foi uma identidade nacional exaltada que estimulou o nacionalismo. Fomentando suas diferenças culturais durante décadas, a Catalunha semeou o atual desejo de independência de boa parte da população.

+ Reportagem especial: Opostos se unem contra independência catalã

"Para as novas gerações, a ideia da Catalunha como nação é uma ideia já bastante presente porque de alguma maneira foi exposta a elas desde a educação", afirma o filósofo e analista político catalão Josep Ramoneda. "E para eles é algo lógico que, se é uma nação, tenha um Estado.”

Este é o pensamento dos estudantes da Universidade de Barcelona que ajudam a organizar o plebiscito de autodeterminação, proibido pela Justiça espanhola. Os alunos ajudam principalmente os idosos a descobrir onde devem votar. Com a proibição judicial ao pleito e o fechamento dos sites do movimento independentista, a informação é encontrada em páginas mais ou menos clandestinas. 

Estudante de Geografia, Humbert Blanco, de 19 anos, afirma orgulhoso: "Sou neto de (imigrantes) andaluzes, de pessoas que nem de brincadeira votariam no plebiscito". Ele revela que sua mãe é independentista e o pai permanece "neutro".

Para os analistas, este é um exemplo perfeito da influência das políticas de identidade sobre as sucessivas gerações em uma região que durante décadas atraiu diferentes ondas de imigração, do sul da Espanha, do norte da África ou da América Latina.

+ Piu piu vira símbolo de separatistas catalães

O ensino de catalão nas escolas é uma "maneira de integrar todas as partes da sociedade catalã e evitar a fragmentação social", explica Gabriel Colomé, professor de ciências políticas da Universidade Autônoma de Barcelona.

A "normalização" da língua catalã, reprimida durante a ditadura de Francisco Franco (1939-1975), concentrou grande parte das políticas dos nove governos sucessivos (1980-2003) do nacionalista conservador Jordi Pujol.

O catalão passou então do círculo familiar, ao qual havia permanecido restrito, a âmbitos públicos como a Justiça, a economia, a ciência e o cinema. "É evidente que a imersão linguística teve um papel muito importante na construção da nação catalã", reconhece Ramoneda.

A televisão pública regional, criada em 1983, também teve um papel considerável nesse cenário, que aumentou com o passar dos anos com canais dedicados ao esporte, cultura, notícias e crianças.

Ferran Requejo, professor de ciências políticas na Universidade Pompeu Fabra de Barcelona, cita os “castells”, as torres humanas presentes em todas as manifestações a favor da independência. O clube de futebol Barcelona também tem um papel de "aglutinar", destaca o professor, já que sua torcida não está apenas na cidade, mas "em toda Catalunha”.

As políticas podem parecer positivas, mas os anti-independentistas, como o dramaturgo catalão Albert Boadella, afirmam que o nacionalismo catalão se aproveitou delas para "doutrinar nas escolas e através de seus meios de comunicação"."O catalanismo se esforçou para mostrar as diferenças entre o restante dos espanhóis e os catalães, e diz que a Espanha sempre impediu o desenvolvimento da Catalunha”, defende.

Após a explosão da crise econômica espanhola de 2008, quando a rica região se tornou uma das mais endividadas do país, muitos passaram a defender a independência. O descontentamento aumentou com decisões como a retirada em 2010, pelo Tribunal Constitucional espanhol, do estatuto de autonomia catalão. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.