HÉLVIO ROMERO / ESTADÃO
HÉLVIO ROMERO / ESTADÃO

‘Estou aqui para facilitar, unir, buscar convergência’, diz embaixador argentino

Para novo Daniel Scioli, relação entre o Brasil e a Argentina está melhorando e é preciso respeitar a vontade popular

Luciana Dyniewicz, O Estado de S.Paulo

10 de fevereiro de 2020 | 07h00

SÃO PAULO - A relação entre o presidente Jair Bolsonaro e o novo presidente argentino, Alberto Fernández, começou com troca de farpas e críticas de ambos os lados. Por isso, a principal tarefa do novo embaixador da Argentina no Brasil, o empresário e ex-candidato a presidente Daniel Scioli, é acalmar os ânimos. “Estou aqui para facilitar, unir, procurar pontos de convergência e acordos que resultem em influência positiva na agenda comum que temos”, diz Scioli, nesta entrevista exclusiva ao Estado.

 A relação entre Jair Bolsonaro e Alberto Fernández não começou bem. Como está a situação?

Sou otimista e acho que vai prevalecer a responsabilidade e os interesses comuns. Respeito à vontade popular e à agenda de um governo que está encarando reformas, colocando o Brasil em um caminho de crescimento, que esperamos que se sustente. A Argentina também está se esforçando para que o país volte a crescer e saia de um grande endividamento irresponsável.

Mas como está a relação?

Melhorando. Cada ministro argentino falou com sua contraparte no Brasil e a agenda bilateral se intensifica. Tivemos um encontro com a comunidade turística. Nos reunimos com a associação automotiva brasileira (Anfavea). Nesta semana, estaremos em Brasília na reunião de chanceleres.

Foi um erro Fernández ter convidado o ex-presidente Lula para sua posse?

Lula não foi (à posse).

Mas foi convidado.

Detalhes de protocolo no momento. A realidade é que quem esteve foi o vice-presidente do Brasil (Hamilton Mourão).

O sr. disse que a relação dos dois países está melhorando, mas há duas semanas Bolsonaro disse que fake news foram responsáveis por eleger Fernández.

A eleição já passou. O povo escolheu e é preciso aceitar a vontade popular. Respeitamos a institucionalidade brasileira e há uma declaração do presidente Bolsonaro na qual expressou seu respeito a Alberto Fernández.

Como manter uma boa relação quando um presidente questiona assuntos internos de outro país?

Com respeito e determinação dos povos. A democracia e suas instituições devem prevalecer em todos os momentos. Estou aqui para facilitar, unir, procurar pontos de convergência e acordos que resultem em influência positiva na agenda comum. Isso também tem a ver com gerar postos de trabalho. Um maior intercâmbio comercial e turístico facilita a criação de trabalho.

O chanceler argentino, Felipe Solá, estará em Brasília para reuniões com Ernesto Araújo. Quais serão as prioridades?

Os assuntos que estão na agenda. Mercosul e União Europeia. A posição argentina em relação a situações diferentes na região.

Qual a posição da Argentina em relação ao livre-comércio entre Mercosul e União Europeia

O chanceler vai falar sobre isso com o ministro Araújo.

É um assunto diplomático e de governo. O sr. não participa?

Sim, participo de todos os assuntos que têm a ver com a relação bilateral. Mas, por respeito a essa cúpula de chanceleres, vamos desenvolver o assunto ali. Na segunda-feira, o presidente Fernández disse na Alemanha que tinha de avaliar as letras pequenas do acordo.

Para Entender

Quem é Alberto Fernández, o aliado de Kirchner que chegou à presidência argentina

Com perfil moderado, peronista de 60 anos é novo presidente da Argentina após derrotar Mauricio Macri já no primeiro turno

Há possibilidade de um encontro de Fernández e Bolsonaro?

Com certeza vão se dar as condições para que possamos definir uma agenda e realizar esse encontro. A vocação do presidente Fernández é pública: acabou de estar em Israel, na Alemanha recebeu o respaldo de Angela Merkel. Também esteve com o papa, na Espanha e na França, explicando a situação da Argentina e a necessidade de reestruturação da dívida.

Há uma data para Bolsonaro e Fernández se encontrarem?

Vamos organizar e com certeza surgirá uma possibilidade. Confio que será um encontro positivo e construtivo.

O governo Bolsonaro quer reduzir a tarifa externa comum (taxa dos países do Mercosul para importar de países fora do bloco). Qual a posição de Fernández?

A economia argentina e tudo da política de Mauricio Macri deixaram o país em uma situação delicada: 40% de pobreza, inflação em 50% e uma grande queda de qualquer indicador de atividade industrial e da construção. A Argentina quer que a economia volte a crescer, para ter uma capacidade genuína de pagamento para enfrentar suas obrigações e administrar de forma responsável as reservas internacionais.

Isso significa fechar a economia em um primeiro momento e proteger a indústria?

Não. Significa administrar de forma responsável o que é uma situação delicada do estoque de reservas, mas tendo prioridades. E as prioridades têm a ver com o Mercosul. Precisamos recuperar a capacidade industrial para conseguir recuperar o emprego, o potencial exportador, a integração com o Brasil.

O juiz Claudio Bonadio, um dos maiores inimigos da vice-presidente da Argentina, Cristina Kirchner, morreu (na semana passada). O que muda para o governo argentino agora? 

Ele perdeu a vida. Não vou fazer nenhum juízo de valor ou especulação política.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.