Estrangeiros deixam hotel sitiado por forças de Khadafi em Trípoli

Cerca de 35 pessoas, a maioria jornalistas, ficaram isolados por dias no edifício, em meio ao fogo cruzado.

BBC Brasil, BBC

24 de agosto de 2011 | 14h24

Os cerca de 35 estrangeiros - em sua maioria jornalistas - presos há dias no hotel Rixos, no centro de Trípoli, deixaram o local na tarde desta quarta-feira. O hotel fora sitiado pelas forças de Muamar Khadafi, enquanto a maior parte da capital líbia caía sob o poder dos rebeldes.

Entre os profissionais da imprensa estavam cinco jornalistas da BBC, que ficaram seis dias no hotel sob condições precárias. Os jornalistas e demais estrangeiros deixaram o local em veículos blindados.

Nesta terça-feira, as forças rebeldes ocuparam quase a totalidade de Trípoli, o último grande reduto de Khadafi. Os opositores também romperam o cerco ao complexo governamental e residencial do líder líbio, cujo paradeiro é desconhecido.

Apesar da aparente queda do regime, Trípoli ainda vive sob tensão. Durante a madrugada, Khadafi fez um discurso transmitido pela rádio e pela TV estatal, convocando seus aliados a resistirem à ocupação dos rebeldes. Ele disse ter feito uma "retirada tática" de seu quartel-general, o complexo de Bab al-Aziziya.

Não se sabe se Khadafi ou sua família estavam no complexo no momento do ataque. Acredita-se que o grupo tenha acesso a vários bunkeres em Trípoli e em outras cidades, inclusive na cidade natal do líder líbio, Sirte - que é um bastião de forças leais a seu regime.

Hotel

Os estrangeiros viveram momentos de tensão nos dias em que ficaram presos no hotel no centro de Trípoli.

O repórter Matthew Price, da BBC, havia relatado que as condições pioravam a cada momento no local, com tiroteios nos arredores. Após dias de isolamento, já havia escassez de água e comida e apagões.

"É uma situação desesperadora para cerca de 35 estrangeiros. Há um congressista americano aqui, há um parlamentar indiano. A situação piorou muito durante a noite, quando ficou claro que não poderíamos sair do hotel livremente", disse Price, horas antes da libertação.

Segundo o jornalista, atiradores montaram guarda nos corredores do Rixos. Também havia atiradores posicionados no telhado e atrás das árvores, nas ruas em volta do hotel.

"Um cinegrafista da (rede britânica) ITN teve um rifle AK-47 apontado contra ele (quando tentou deixar o hotel), um guarda se aproximou e o empurrou, apontando a arma na direção dele", afirmou o jornalista.

Segundo jornalistas líbios, não se sabe exatamente qual era objetivo dos guardas armados dentro do hotel Rixos.

Para o jornalista da BBC em Benghazi, Jon Leyne, apesar de o hotel ser aparentemente um alvo valioso, o mais provável é que soldados leais a Khadafi estivessem no local sem liderança nenhuma, executando ordens que haviam recebido antes, e simplesmente não queriam deixar seus postos.

Julgamento

Integrantes do Conselho Nacional de Transição, baseado em Benghazi, já se preparam para a transferência para a capital líbia.

O porta-voz do Conselho, Hany Hassan Soufrakis, disse à BBC na terça-feira que o sistema judiciário da Líbia não está preparado para um eventual julgamento de Khadafi, e que por isso o processo deve ocorrer no Tribunal Penal Internacional, em Haia, na Holanda.

O CNT já é reconhecido como governo interino pelos Estados Unidos e por vários países da Europa e do mundo árabe.

O ministro de Relações Exteriores, Antonio Patriota, disse também na terça-feira que o Brasil aguardará a posição da ONU para decidir se reconhecerá a soberania dos rebeldes líbios.

Segundo ele, o embaixador do Brasil no Egito, Cesário Melantonio Neto, obteve garantias dos rebeldes de que os contratos firmados pelas companhias brasileiras - como Odebrecht, Queiroz Galvão e Petrobras - durante o governo de Khadafi serão honrados.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.