Estrangeiros serão julgados no Afeganistão

Pela primeira vez desde que deteve oito estrangeiros acusados de propagar o cristianismo no Afeganistão, o regime do Taleban informou hoje que os detidos serão levados a julgamento. "Depois que a investigação for completada o caso irá a um tribunal, que decidirá de acordo com sharia (lei islâmica)", disse o ministro afegão das Relações Exteriores, Wakil Ahmed Muttawakil, à agência de notícias oficial Bajtar.Os estrangeiros - duas norte-americanas, quatro alemães e dois australianos - fazem parte de um grupo de 24 pessoas presas que trabalham para a organização não-governamental (ONG) Shelter Now International, mantida pelo grupo cristão Vision for Asia, com base na Alemanha.De acordo com a lei do Taleban, a pena para estrangeiros considerados culpados de propagar o cristianismo vai de três a 10 anos de prisão ou a expulsão do país. Os afegãos que se converterem ao cristianismo podem ser condenados à morte.As autoridades talebans mostraram, há cerca de duas semanas, fitas de vídeo, bíblias e outros materiais com conteúdo cristão, tudo traduzido para as línguas faladas no Afeganistão, apreendidos durante blitze realizadas nos escritórios da ONG e nas casas dos funcionários detidos.Não há sinais de quando as investigações serão concluídas ou quando o julgamento será iniciado. Muttawakil adiantou, no entanto, que a futura sentença do tribunal será enviada ao líder supremo do Taleban, mulá Mohammed Omar, que tem a última palavra em todos os assuntos do país.Diplomatas dos Estados Unidos, Alemanha e Austrália, que se encontram no Afeganistão, disseram que foram notificados sobre a decisão do Taleban de realizar o julgamento.O Taleban impõe um hermético regime islâmico no Afeganistão, segundo o qual, entre outras coisas, as mulheres devem estar cobertas sempre por um véu negro dos pés à cabeça e não podem trabalhar nem estudar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.