Estudante afegão é condenado a 20 anos por blasfêmia

Justiça reverte condenação de universitário de jornalismo por questionar direitos da mulher no islã

Agência Estado e Associated Press,

21 de outubro de 2008 | 09h51

Uma corte de apelações afegã sentenciou um estudante de jornalismo, Parwez Kambakhsh, a 20 anos de prisão. O tribunal reverteu uma sentença de pena de morte, aplicada a ele por uma instância inferior. Um painel de três magistrados determinou que Kambakhsh, de 24 anos, é culpado por blasfêmia. Ele estudava jornalismo na Universidade Balkh, na cidade de Mazar-i-Sharif, no norte afegão, onde escrevia para jornais locais, quando foi preso em outubro de 2007. Os promotores afirmaram que Kambakhsh interrompeu as aulas para levantar questões sobre os direitos humanos da mulher sob o Islamismo. Além disso distribuiu um texto sobre a religião. O julgamento anterior, no qual o estudante foi condenado à morte, foi considerado uma fraude por alguns críticos.

Tudo o que sabemos sobre:
Afeganistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.