Kyodo/via REUTERS
Kyodo/via REUTERS

Estudante australiano detido na Coreia do Norte é liberado

Alek Sigley estava desaparecido há duas semanas. Segundo o primeiro-ministro da Austrália, estudante está seguro na China

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de julho de 2019 | 03h57

SYDNEY - O estudante australiano desaparecido há duas semanas na Coreia do Norte, Alek Sigley, está seguro na China, após ser liberado pelas autoridades de Pyongyang, disse o primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison, nesta quinta-feira, 4. "Nos informaram que a República Popular Democrática da Coreia o libertou e ele saiu do país são e salvo", afirmou Morrison.

Segundo o portal NK News, especializado em informações sobre a Coreia do Norte, Sigley está na China e deve viajar ao longo do dia para Tóquio, no Japão.

Sigley tem 29 anos e estuda literatura coreana na Universidade Kim Il Sung, principal centro educativo da Coreia do Norte. De pai anglo-australiano e mãe chinesa, Sigley estudou na Universidade de Fudan, em Xangai, e na Coreia do Sul, antes de ir morar em Pyongyango. Ele foi colocado em liberdade após a mediação da diplomacia sueca.

"As autoridades suecas nos informaram que se reuniram com altos funcionários da Coreia do Norte e levantaram a questão do desaparecimento de Alek", disse o premier. "Fomos informados de que a Coreia do Norte o colocou em liberdade e que saiu do país, e posso confirmar que chegou a salvo", acrescentou.

A família do universitário deu o alerta sobre seu desaparecimento no dia 27 de junho, após não conseguir falar com ele pelo aplicativo de mensagens WhatsApp, como era habitual.

Sigley também dirigia uma empresa especializada em viagens pela Coreia do Norte e escrevia artigos sobre o panorama gastronômico de Pyongyang, entre outros temas, para o NK News, site americano baseado em Seul que oferece informações e análises sobre a Coreia do Norte.

Em sua conta no Twitter, ele detalhava sua vida como estudante em Pyongyang desde o final do ano passado. Seu último tweet, do dia 24, faz referência ao famoso hotel Ryugyong, um gigantesco alojamento inacabado que começou a ser construído na capital norte-coreana no final da década de 1980 e do qual tirou algumas fotos da parte externa. / AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.