Kyodo/via REUTERS
Kyodo/via REUTERS

Coreia do Norte diz que estudante australiano libertado era espião

Segundo a agência 'KCNA', Alek Sigley entregou, a pedido de veículos contrários ao regime, dados e fotos que coletou usando um documento de estudante estrangeiro

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de julho de 2019 | 07h50

SEUL - A imprensa estatal norte-coreana afirmou neste sábado, 6, que o estudante australiano Alek Sigley, libertado na Coreia do Norte nesta semana, cometeu atos de espionagem.

Sigley estava estudando em uma universidade em Pyongyang, capital do país, e trabalhando como guia turístico antes de desaparecer das redes sociais, nas quais mantinha contato com família e amigos. 

"Investigações revelaram que, a pedido da NK News e de outros veículos contrários ao regime, ele entregou diversos dados e fotos que coletou usando um documento de estudante estrangeiro", disse a KCNA.

Sigley, de 29 anos, estava detido no país desde 25 de junho. Ele teria admitido "atos de espionagem" e pedido perdão, segundo a KCNA.

O jovem foi libertado da Coreia do Norte na quinta-feira após intervenção de diplomatas suecos. Ele chegou a Tóquio, onde encontrou sua mulher, que é japonesa, no mesmo dia.  Ele disse a jornalistas que estava em "muito boas" condições, sem dar mais detalhes. / Reuters e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.