Estudante é condenada por matar britânica na Itália

A estudante norte-americana Amanda Knox, de 22 anos, foi condenada a 26 anos de prisão, pelo assassinato da britânica Meredith Kercher durante jogos sexuais há dois anos. O veredicto foi dado na madrugada deste sábado (horário da Itália) por um tribunal italiano. A Justiça daquele país condenou ainda Rafaele Sollecito, seu namorado italiano na época do assassinato, a 25 anos de prisão.

AE-AP, Agencia Estado

05 de dezembro de 2009 | 12h56

Knox, de Seattle, foi acusada de planejar em 2007 a morte da estudante britânica de 21 anos, com quem dividia um apartamento nesta cidade universitária italiana. Os dois alegaram inocência.

Meredith Kercher tinha 21 anos quando seu corpo foi encontrado mergulhado em sangue com um corte na garganta no dia 2 de novembro de 2007. Segundo a polícia, a estudante havia sido morta na noite anterior.

Os promotores queriam prisão perpétua, a mais dura pena possível de ser dada na Itália. Mas a corte acabou decidindo por uma punição menos severa. A família de Amanda insiste em sua inocência e disse que vai apelar da decisão.

A família da vítima disse estar satisfeita com o veredicto. "Estamos satisfeitos com o veredicto, mas não é hora para celebração", disse Lyle Kercher, irmão da vítima. As informações são da Associated Press. (Luciana Xavier)

Tudo o que sabemos sobre:
violênciamorte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.