Hannah Waters/AP
Hannah Waters/AP

Estudante é suspensa após postar fotos de corredores lotados em colégio nos EUA

Suspensão foi levantada nesta sexta-feira; imagens compartilhadas no Twitter se tornaram símbolo da semana caótica da volta às aulas em alguns Estados americanos 

Redação, O Estado de S.Paulo

07 de agosto de 2020 | 15h43

DALLAS, EUA - Uma estudante americana de 15 anos foi suspensa por cinco dias do Colégio North Paulding, em Dallas (Estado americano da Georgia), após publicar fotos no Twitter de estudantes, poucos com máscaras, amontoados em um corredor lotado nos seus primeiros dias da volta às aulas desde que o surto de coronavírus fechou escolas americanas na primavera (norte). Após a repercussão do caso, a suspensão foi levantada nesta sexta-feira, 7. 

As fotos, que foram compartilhadas nas redes sociais e citadas por canais de notícia, rapidamente tornaram-se um  símbolo da caótica primeira semana de retorno às salas de aula nos EUA. Escolas nos Estados onde as aulas foram retomadas - como Georgia, Mississippi, Tennessee e Indiana - tiveram de voltar à quarentena e, em alguns casos, fechar temporariamente depois que surgiram novos casos de covid-19.

A estudante que tirou as fotos, Hannah Watters, de 15 anos, foi inicialmente suspensa  por cinco dias por postar as imagens  no Twitter, de acordo com a mãe dela, Lynne Watters, que apresentou uma queixa à escola na quinta-feira. 

Nesta sexta-feira, Hannah contou que sua suspensão foi levantada e apagada dos registros da escola. O diretor do colégio ligou para sua mãe para dizer que ela poderia retornar à escola na segunda-feira. 


Embora ela concorde que tenha violado a política da escola, que proíbe filmar estudantes e postar suas imagens nas  redes sociais sem o consentimento deles, Hannah disse em uma entrevista que não se arrependia de ter feito isso, pois as imagens denunciavam a aglomeração e a falta de distanciamento social em sua escola.

“Minha mãe sempre me disse que não ficaria brava comigo se eu tivesse algum tipo de 'problema bom'”, disse Hannah,  invocando a famosa frase do deputado John Lewis, líder dos direitos civis que foi enterrado em Atlanta, também na Georgia, na semana passada. “Você está melhorando a sociedade e o mundo, então essas consequências não superam o resultado final.”

O colégio e a secretaria de Educação local não responderam imediatamente aos pedidos de comentários. 

O superintendente do Distrito Escolar do Condado de Paulding, Brian Otott, tem defendido seu plano de reabertura em seu distrito dizendo, em uma carta à comunidade depois que as fotos foram publicadas, que as imagens foram tiradas de contexto. 

Os alunos, segundo ele, permaneceram nos corredores apenas brevemente enquanto trocavam de sala e a escola estava  seguindo as recomendações emitidas pelo Departamento de Educação da Georgia. Mas reconhece que não há dúvida de que a foto "não parece nada boa". 

Máscaras não são obrigatórias na escola, disse Otott, ainda que a administração recomende fortemente seu uso entre estudantes e funcionários. "Usar uma máscara é uma escolha pessoal, e não há uma maneira prática de fazer cumprir uma ordem de uso", escreveu ele, acrescentando que mais de 2 mil estudantes frequentam o Colégio North Paulding. 

Ele pondera que as diretrizes do distrito orientam os funcionários a fazer o melhor para exigir que os alunos mantenham o distanciamento social, mas "não seria possível impor o distanciamento nas salas de aula ou nos ônibus escolares, a menos que seja uma classe ou um ônibus com menos alunos".

Um porta-voz do distrito noroeste do Departamento de Saúde Pública da Geórgia, que inclui o Condado de Paulding, disse que a agência oferece conselhos sobre as melhores práticas para controlar a propagação do vírus, mas as escolhas sobre o que fazer nas escolas dependem das autoridades locais.

"Cada sistema escolar toma suas próprias decisões", disse o porta-voz, Logan Boss, acrescentando que o departamento não monitora as escolas para ver se estão cumprindo suas recomendações.

O colégio foi aberto para o ano letivo na segunda-feira, embora já houvesse relatos de um surto de coronavírus entre membros da equipe de futebol. Boss disse não ter conhecimento de alunos ou membros da equipe que tenham testado positivo para a covid-19 no Colégio North Paulding, mas acrescentou: "Há uma transmissão generalizada entre a comunidade do Condado de Paulding."

Para Hannah, seu retorno às aulas na próxima semana será com muita ansiedade. Ainda há a preocupação com o vírus, e agora também o estresse da dúvida sobre como outros alunos reagirão por ela ter compartilhado as imagens do corredor lotado.

“Provavelmente vou ficar tão nervosa quanto no primeiro dia de aula”, disse ela, acrescentando que espera que as pessoas percebam que ela postou as fotos para defender a segurança de todos no prédio./NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.