Estudantes árabes começam a deixar os EUA

Por todos os Estados Unidos, centenas de estudantes árabes estão desistindo de suas matrículas e deixando o país, muitos deles chamados de volta por pais temerosos de uma guerra e pelo sentimento anti-árabe gerado depois dos ataques terroristas de 11 de setembro. Cerca de 47 estudantes dos Emirados Árabes Unidos já desistiram de estudar na Universidade do Estado de Washington, na cidade de Pullman, e estão voltando para casa. Há também informes de cerca de 100 alunos árabes deixando colégios norte-americanos à raiz dos ataques suicidas. "Há alguns estudantes temerosos", disse Shafeeq Ghabra, porta-voz da embaixada do Kuwait. "Os pais no Kuwait estão com mais medo do que eles aqui. Alguns querem estar juntos de seus filhos". Embora não esteja claro exatamente quantos estudantes estão deixando os EUA, aparentemente a maioria permanecerá no país. Dos 570.000 estudantes estrangeiros nos Estados Unidos, 40.000 deles são procedentes de países árabes, segundo o Conselho Americano de Educação. Um dos maiores êxodos é verificado no Estado de Washington. "Para a maioria deles, é porque seus pais queres que eles retornem para casa", disse Ranna Daud, de 20 anos, chefe da Associação de Estudantes Muçulmanos do Estado de Washington.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.