Estudantes brasileiros escapam de La Paz e voltam a SP

A viagem de férias dos estudantes de medicina Tiago José Penachim, de 24 anos, e Mariana Munari Magnus, de 23, teve mais aventura do que o planejado. A caminho de Machu Picchu, no Peru, o casal estava em La Paz no fim de semana, durante os protestos violentos contra o governo. "Nunca passei tanto medo na minha vida", contou Mariana, ao chegar ao aeroporto de Guarulhos. Hospedados em um hotel no centro da cidade, os dois passaram por momentos de pânico até conseguir vaga em um vôo de Santa Cruz para São Paulo, pela companhia Lloyd Aéreo Boliviano (LAB).No sábado, os estudantes pegaram carona com um boliviano que os ajudou a chegar a El Alto, cidade vizinha de La Paz. "Parecia cena de filme. A gente cruzou a estrada escondido entre os bancos do carro", contou Penachim. Chegaram a pensar em cruzar a fronteira com o Peru de bicicleta, o que levaria cerca de oito horas. Convencidos de que seria muito arriscado - os manifestantes estavam agredindo estrangeiros - eles dormiram na casa do boliviano e seguiram a pé para o aeroporto na manhã seguinte. Passaram a noite no local e só na segunda-feira conseguiram vaga num dos últimos vôos para Cochabamba - de onde finalmente seguiram para Santa Cruz.A Varig suspendeu os vôos diários para La Paz até pelo menos sexta-feira. Desde terça-feira, os vôos da companhia estão indo apenas até Santa Cruz. A empresa informou que a situação será restabelecida assim que a situação política no país se normalizar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.