Estudantes chilenos entram em choque com a polícia

Milhares de estudantes chilenos ignoraram as críticas do presidente do país, Sebastián Piñera, e saíram às ruas de Santiago em protestos nesta quinta-feira, exigindo que o Estado volte a administrar as escolas. Centenas de estudantes foram dispersos pela polícia com o disparo de gás lacrimogêneo e jatos de água. Ao invés de realizarem apenas uma grande passeata, os estudantes se dividiram em 14 colunas, uma para cada município que forma a área metropolitana da capital chilena. Ocorreram incidentes e um número ainda não informado de estudantes foi detido.

AE, Agência Estado

23 de agosto de 2012 | 17h57

As primeiras desordens ocorreram na frente da prefeitura de Providencia, cujo prefeito, Cristian Labbé, ex-ministro do ditador Augusto Pinochet, tem sido um dos mais duros críticos dos estudantes. Quase cem policiais fizeram a segurança em Providencia. Os estudantes apedrejaram a polícia, que reagiu com o disparo de gás lacrimogêneo. Vários estudantes foram arrastados pelos carabineiros para os camburões.

No centro de Santiago, os estudantes tentaram parar o trânsito na principal avenida, mas foram dispersos pela polícia. A crise política e os protestos estudantis no Chile se arrastam desde 2011. Os estudantes reivindicam um ensino gratuito, universal e de qualidade, mas o governo não atendeu às demandas.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.