Reuters
Reuters

Estudantes da Universidade do Texas poderão portar armas em sala de aula

Para evitar proibição de professores, grupo que faz parte de lobby armamentista ofereceu recompensas para quem delatá-los

O Estado de S. Paulo

04 Maio 2016 | 10h57

AUSTIN - Os estudantes da Universidade do Texas, nos EUA, estão autorizados por lei a portar armas em sala de aula a partir do próximo semestre. Para evitar que alguns professores os proíbam, um grupo de lobby armamentista ofereceu na terça-feira recompensas para quem delatá-los.

"Uma das medidas que consideramos é oferecer um prêmio em dinheiro ao estudante que documentar um maior número de casos verificáveis nos quais professores proíbam o porte de armas nas instalações", informou em comunicado a diretora regional do grupo Students for Concealed Carry, Antonia Okafor.

A norma que permite aos estudantes irem armados às aulas entrará em vigor no dia 1º de agosto e os grupos armamentistas pretendem garantir seu cumprimento perante a crescente oposição de grande parte do corpo docente da universidade, com sede na cidade de Austin, capital do Estado do Texas.

De fato, a expectativa é que haja uma avalanche de processos contra professores a partir do mês de agosto.

O Students for Concealed Carry, grupo de lobby que pretende impulsionar a legalização das armas em todas as universidades do país, destacou que, além das recompensas em dinheiro, estuda "uma variedade de medidas" para "documentar" as violações de uma lei que procura proteger os estudantes de possíveis tiroteios.

Não são poucos os professores que advertiram que não permitirão armas em suas aulas ou que ameaçaram abandonar a instituição desde que o Congresso do Texas, controlado pelos republicanos, aprovou a polêmica norma em 2015 dentro de um pacote de medidas que também incluíram o livre porte de armas em via pública.

Foi o caso do único vencedor do prêmio Nobel que a Universidade do Texas tem em seu corpo docente, Steven Weinberg (Física, 1979), que assegurou que buscará um novo trabalho antes de permitir a entrada de estudantes armados em suas aulas.

Por sua parte, o prestigiado decano de Arquitetura, Fritz Steiner, anunciou recentemente que deixará o cargo e a instituição no final deste semestre em razão da implementação da norma. O presidente da universidade, Greg Fenves, disse recentemente que as armas "não pertencem" a um local de ensino e que aplicar a medida representou "o maior desafio" de sua carreira.

A nova legislação entrará em vigor no 50º aniversário do dia mais triste da história da universidade: um massacre protagonizado por um estudante que deixou 14 mortos e 30 feridos no campus de Austin.

Por outro lado, o Estado do Tennessee aprovou na segunda-feira um projeto de lei similar ao do Texas que permitirá a professores e funcionários - mas não a estudantes - portar armas nas instituições universitárias.

Com o Tennessee já são 10 os Estados que permitem o porte de armas em universidades americanas. /EFE

Mais conteúdo sobre:
Estados Unidosarmasuniversidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.