Estudantes e polícia entram em confronto pela 2ª vez no Chile

A polícia usou gás lacrimogêneo e jatos d´água para conter estudantes que protestavam na capital do Chile nesta quarta-feira, 4. Este é o segundo incidente deste tipo em uma semana.Cerca de 2 mil universitários marcharam por Santiago para protestar contra o "Transantiago", o novo sistema de transporte público da cidadeApesar de conflitos entre os manifestantes e a polícia, o ato transcorreu pacificamente em sua maior parte. Mas a passeata teve fim só quando o ministro dos Transportes, René Cortázar, anunciou cinco medidas para melhorar o controvertido sistema de locomoção. Ao final da tarde, a polícia informou que 93 pessoas foram detidas.Um fotojornalista foi atingido no estômago por uma pedra, atirada por um manifestante. Uma jovem desmaiou após torcer o tornozelo ao fugir da polícia e foi levada por outros estudantes. Um policial também se feriu nos confrontos, segundo a polícia.Estudantes organizaram a manifestação em oposição ao novo sistema público de transportes que deixou cerca de 6 milhões de pessoas da classe trabalhadora com pouco ou sem transporte, obrigando-os a caminhar por longas distâncias para alcançarem estações de metrô ou ônibus.O governo admitiu falhas no Transantiago, que forçaram a presidente do país, Michelle Bachelet a trocar de ministro dos transportes, passando o cargo para Cortázar.Cortázar anunciou várias mudanças no sistema, incluindo aumento do número de ônibus (primeiramente a inclusão de mil veículos, até um total de 6.400 a médio prazo) e alterações de rotas, além da criação de um centro de apoio aos motoristas. Bachelet admitiu que "as coisas não foram bem feitas", mas alertou que seu governo não vai tolerar a violência, que marcou o protesto da última quinta-feira, que resultou na prisão de mais de 800 pessoas e danificou seriamente propriedades públicas e privadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.