Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Estudantes fazem protesto pró-Tibet em campus de Pequim

Dezenas de estudantes se sentaram emprotesto em uma universidade para minorias étnicas em Pequim nasegunda-feira, levando as manifestações pró-Tibet à capital daChina pela primeira vez. O protesto na cidade-sede dos próximos Jogos Olímpicosaconteceu horas antes do prazo final dado aos manifestantes deLhasa para se entregarem, depois da violência nas ruas dacapital do Tibet, que pode ter matado dezenas de pessoas. Aproximadamente 40 estudantes se sentaram na UniversidadeCentral para Nacionalidades em Pequim depois que vários delesforam levados embora, disseram testemunhas. Qualquer protesto estudantil em Pequim é significativo,pois relembra os protestos pró-democracia que ocorreram naPraça da Paz Celestial em 1989, que foram sufocados pelosmilitares com grande número de vítimas fatais. Os professores estimulavam seus alunos a levantar e deixaro protesto. "Eu tinha a intenção de participar, mas fui tirado de lá",disse um estudante tibetano da província de Gansu. "Minha amigaestá lá e estou preocupado com ela. Isso pode durar um bomtempo." Os estudantes tiraram fotos do campus. "Não há nada paraver aqui", disse um guarda, afastando os estudantes dali. A China disse na segunda-feira que utilizou grandeprudência tendo em vista os violentos protestos dos tibetanos,que, segundo ela, foram orquestrados por seguidores do DalaiLama que querem arruinar os Jogos Olímpicos de agosto. O governador do Tibet disse que nenhuma arma foi usadacontra os manifestantes em Lhasa, mas tropas se espalharampelas áreas vizinhas para reforçar o controle. (Reportagem de Ian Ransom) REUTERS MR ES

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.