Saul Martinez/The New York Times
Saul Martinez/The New York Times

Estudantes marcham para pressionar políticos americanos a aprovar leis que restrinjam venda de armas

Cerca de 100 alunos da escola que foi palco de um massacre na Flórida no dia 14 viajaram à capital do Estado; estudantes escreveram 500 cartas aos congressistas pedindo o fim da violência nas salas de aula

O Estado de S.Paulo

21 Fevereiro 2018 | 09h01

CORAL SPRINGS, EUA - Com os olhares voltados aos legisladores e políticos americanos, a campanha nacional de estudantes contra as armas "Never Again" aumentou a pressão na terça-feira 20 com mobilizações na Flórida, palco de um massacre em uma escola de ensino médio no qual 17 pessoas morreram.

+ Trump quer proibir dispositivo que torna armas mais letais

Cerca de 100 alunos da escola Marjory Stoneman Douglas de Parkland - onde no dia 14 o ex-aluno Nikolas Cruz matou 17 pessoas - marcharam rumo à capital do Estado, Tallahassee. O objetivo é pressionar o Congresso local a aprovar leis que restrinjam a venda de armas de fogo.

+ Exército americano dá medalhas a três estudantes mortos em Parkland

Enquanto isso, outro grupo similar de uma escola de Boca Raton marchava entre a cidade e Parkland para se somar aos protestos dos jovens que pressionam os congressistas estaduais e federais e o presidente Donald Trump para que estabeleçam um maior controle à venda de armas.

O protesto dos alunos, que escreveram 500 cartas aos congressistas nas quais pedem o fim da violência nas salas de aula, foi precedido de outros em diferentes escolas das cidades vizinhas de Fort Lauderdale e Hollywood.

"Não quero pensar que a cada vez que estou sentada na aula eu posso ser a próxima vítima", disse uma das estudantes, enquanto outra acrescentava que "nenhum garoto tem porque ter armas de assalto na escola".

Com as atenções voltadas para uma marcha nacional prevista para o dia 24 de março em Washington, os estudantes do movimento "Never Again" (Nunca mais) partiram em dois ônibus da cidade de Coral Springs, vizinha de Parkland, para Tallahassee.

"No dia seguinte do ataque estava sentado em casa e não me sentia útil. Por isso vir aqui e começar a marchar está nos ajudando muito neste processo", declarou Chris Grady, de 19 anos.

O jovem ativista disse que espera que Trump se ponha ao lado deles. "Só esperamos que nos escute e tome alguma ação a respeito", afirmou.

Após uma viagem de oito horas, a comitiva pretende se reunir nesta quarta-feira, 21, com legisladores estaduais para pressioná-los a se comprometer com leis "de senso comum para a segurança".

Com esta missão, o movimento nacional "Never Again" continua ganhando adeptos em nível nacional, entre eles o ator George Clooney e sua mulher Amal, que doaram US$ 500 mil para "esta incrível geração de jovens de todo o país".

Nos ônibus, além de alguns pais, viajaram também quatro sobreviventes do ataque que em junho de 2016 deixou 49 mortos na boate Pulse em Orlando, no centro da Flórida. "Viemos para abraçar estes sobreviventes e lhes dizer que a vida continua. Iremos à capital para poder mudar já as leis e frear esta violência", declarou India Godman. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.