Estudantes mexicanos vão às ruas contra 'manipulação' de eleição

Ato organizado pela web em três das principais cidades do país reúne 5,5 mil alunos críticos à cobertura da campanha

CIDADE DO MÉXICO, O Estado de S.Paulo

25 Maio 2012 | 03h09

Mais de 5 mil estudantes universitário saíram às ruas das principais cidades do México na quarta-feira para protestar contra a "manipulação midiática e política" das eleições presidenciais. Eles contestam a cobertura de um ato estudantil contrário ao favorito nas pesquisas, Enrique Peña Nieto, do Partido Revolucionário Institucional (PRI), na Universidade Ibero-Americana, no dia 11.

Na ocasião, 131 estudantes interromperam um debate de Peña Nieto na universidade e foram retratados na imprensa e nos meios políticos como "agitadores". Os alunos da Ibero-Americana gravaram um vídeo para responder às críticas que se espalhou pelas redes sociais mexicanas. A mobilização chegou a outras universidades e uma marcha nacional foi agendada pela internet.

"Hoje é um grande dia para história do México. A grande virtude do movimento é ter encontrado um ponto de união para os mexicanos", disse Saúl Alvídrez, representante dos estudantes. "A classe política tem de entender que não podemos ser manipulados com mentiras."

'Manipulação'. A manifestação reuniu 2 mil pessoas na Cidade do México, 2,5 mil em Puebla e 1 mil em Guadalajara. Na capital, as sedes da TV Azteca e da Televisa foram os alvos da marcha. Os manifestantes também pediram que as eleições sejam monitoradas por observadores independente.

"Somos de escolas diferentes, mas temos em comum a demanda por informação precisa e estamos indignados com a manipulação midiática", disse a estudante Rosana Holsch à agência EFE. De acordo com a estudante, apesar de o movimento ter nascido a partir de críticas a Peña Nieto, ele é apartidário. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.