Estudantes paquistaneses queimam cinema

Pelo segundo dia consecutivo, jovens fundamentalistas islâmicos protestaram hoje por causa de uma carta publicada ontem em um jornal paquistanês. Segundo os manifestantes, a missiva ofendia o profeta Maomé. Irados, cerca de 150 estudantes da ala jovem do partido Jamaat-e-Islami, de extrema direita, incendiaram um cinema na cidade de Peshawar, isto porque muçulmanos de linha dura acreditam que filmes são anti-islâmicos. Ontem a mesma carta levou uma multidão para a frente do jornal Frontier Post, cujo prédio também fora incendiado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.