Estudantes protestam diante do consulado dos EUA no Rio

Cerca de 500 estudantes, segundo a Polícia Militar, protestaram no centro do Rio contra a decisão do presidente dos EUA, George W. Bush, de atacar o Iraque. Eles fizeram uma passeata que interditou a Avenida Rio Branco, uma das principais do centro, e seguiram até o Consulado dos EUA, na Avenida Presidente Wilson, onde um grupo de manifestantes queimou uma bandeira norte-americana. Com faixas e cartazes, os estudantes acusaram Bush de "fascista, nazista, matador e porco imperialista". "Chega de bomba, chega de ataque, fora imperialismo Iraque", gritavam, em coro, os manifestantes.Candidato derrotado ao governo do Estado pelo PSTU, Cyro Garcia discursou ao lado de dirigentes de entidades estudantis. "Bush diz que é contra o terrorismo, mas eu pergunto a vocês: quem é o maior terrorista do mundo? A minha proposta é de que, após cair a primeira bomba em Bagdá, o Brasil anuncie o rompimento das relações diplomáticas com os EUA e a suspensão do pagamento da dívida externa", disse ele.Cartazes exibidos por estudantes mostravam Bush com um bigode semelhante ao de Adolph Hitler, com a mensagem "Bush: tire suas patas do Iraque. A Juventude pede paz". A letra "s" de Bush foi substituída por uma suástica.O ato foi organizado por entidades como União Nacional dos Estudantes (UNE), União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes), União Estadual dos Estudantes (UEE) e União da Juventude Socialista (UJS). Os estudantes estavam concentrados desde as 10h00 na Candelária. Interditaram a Rio Branco às 12h30 e chegaram ao Consulado dos EUA às 13h40. A manifestação foi encerrada meia hora depois, na frente da Assembléia Legislativa do Estado, com um ato em defesa da reserva de vagas para negros, pardos e estudantes da rede pública em universidades estaduais. Os estudantes programam ainda fazer uma vigília na frente do consulado dos EUA no Rio. O noticiário até 18/3/2003Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.