Estudantes rivais brigam em Jacarta

Partidários e oponentes do presidente da Indonésia entraram em choque nesta quarta-feira pelo terceiro dia consecutivo de protestos políticos na capital, Jacarta, enquanto o governo era novamente acusado de cometer irregularidades financeiras. Os grupos rivais começaram a atirar pedras e garrafas uns contra os outros quando cerca de 1.200 estudantes, que exigiam a renúncia do presidente Abdurrahman Wahid, passaram em frente a um campus universitário no centro da cidade, onde os estudantes são leais ao chefe de Estado.Pelo menos três partidários de Wahid foram espancados, disseram testemunhas. Parlamentares, que já tentaram abrir dois processos de impeachment contra Wahid após escândalos de corrupção, anunciaram que investigariam o que eles diziam ser a suspeita de uma transferência de US$ 300.000 em dinheiro ao grupo de Wahid no início de uma peregrinação à cidade de Meca, sagrada para os muçulmanos.A quantia teria sido enviada com pressa por uma companhia aérea estatal pouco antes de Wahid viajar à Arábia Saudita, em 2 de março. Fontes palacianas confirmaram nesta terça-feira que o dinheiro foi entregue a assessores de Wahid e a um grupo de cerca de 100 políticos e correligionários. De acordo com as fontes, os US$ 300.000 teriam sido utilizados para o pagamento de despesas imprevistas, especialmente para acomodação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.