Estúdio da Al Jazeera no Cairo é incendiado após protesto

Um estúdio utilizado pela emissora de TV Al Jazeera no Cairo foi incendiado nesta quarta-feira, num ataque que um funcionário do canal disse ter sido cometido por pessoas que gritavam frases de ordem contra a rede do Catar.

Reuters

21 de novembro de 2012 | 13h29

O estúdio tem vista para a praça Tahrir e fica localizado perto do local onde aconteceram confrontos violentos entre jovens manifestantes e as forças de segurança esta semana, em que dezenas de pessoas ficaram feridas.

Os confrontos começaram após um protesto para lembrar o primeiro aniversário dos violentos incidentes de rua na mesma região.

O escritório no primeiro andar utilizado pela Al Jazeera Mubasher Misr, uma emissora que foi criada após os protestos que derrubaram o presidente Hosni Mubarak, ficou gravemente danificado pelo fogo.

As janelas do estúdio foram quebradas e duas garrafas vazias, que aparentemente foram usadas como coquetel molotov, foram encontradas dentro do escritório. O canal era dedicado à cobertura do Egito.

O Ministério do Interior descreveu os agressores como "baderneiros" que atacaram policiais quando estes chegaram para investigar, de acordo com a agência de notícias estatal. O Ministério Público determinou uma investigação.

"Havia de 200 a 250 pessoas reunidas do lado de fora do estúdio gritando contra o canal", disse Ahmed Dessouki, um produtor da Al Jazeera, à Reuters Television.

(Por Tom Perry, com reportagem da Reuters TV)

Tudo o que sabemos sobre:
MIDIAALJAZERRAEGITOINCENDIO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.