Estudiosos britânicos aprovam boicote a acadêmicos de Israel

O maior sindicato de professores universitários da Grã-Bretanha aprovou nesta segunda-feira um boicote aos acadêmicos israelenses pelo que qualificou como políticas de apartheid e práticas discriminatórias contra os palestinos.A Associação Nacional de Professores do Ensino Superior, que reúne cerca de 69 mil acadêmicos britânicos, aprovou a moção durante uma conferência anual realizada em Blackpool, no norte da Inglaterra.Dois itens da moção foram aprovados por aclamação. Um terceiro ponto proposta foi submetido a votação. O boicote vale para as universidades e faculdades israelenses que não se dissociarem das políticas de apartheid e práticas discriminatórias contra os palestinos.Trevor Phillips, porta-voz do sindicato, esclareceu que o boicote é apenas uma recomendação da Associação Nacional de Professores do Ensino Superior da Grã-Bretanha e não precisa ser seguida à risca.Ronnie Fraser, diretor dos Acadêmicos Amigos de Israel, disse que seu grupo continuaria lutando contra o boicote e qualificou a decisão do sindicato como "racista".A moção esclarece que os membros do sindicato têm a responsabilidade de assegurar que as instituições de ensino israelenses devem ser tratadas com "igualdade e sem discriminação".No ano passado, outro sindicato britânico, a Associação dos Professores Universitários, aprovou um boicote às universidades israelenses de Haifa e Bar-Ilan por causa de ações dessas instituições que minavam os direitos dos palestinos e a liberdade acadêmica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.