Estudiosos negam que tela de igreja seja de Caravaggio

Especialistas em pintura e artes disseram hoje que o quadro "Martírio de São Lourenço", atribuído ao pintor lombardo Caravaggio (Michelangelo Merisi, que viveu entre 1571 e 1610), na realidade não foi pintado pelo mestre italiano. O jornal do Vaticano, L''Osservatore Romano, havia sugerido antes e depois negou que a pintura fosse um trabalho dele.

AE-AP, Agência Estado

27 de julho de 2010 | 17h08

"É um quadro muito interessante, mas eu acredito que podemos descartar, pelo menos por ora, que seja um Caravaggio", disse a superintendente de arte, Rossella Vodret. A pintura está localizada em uma igreja jesuíta, em Roma, e mostra a imagem do santo sendo assado numa grelha e seus três carrascos em segundo plano.

"A qualidade da pintura não se sustenta", acrescentou Vodret. Uma das pernas de São Lourenço "parece a perna de um sapo, Caravaggio jamais cometeria um erro desses", disse Marco Bona Castellotti, historiador de arte. O quadro agora deverá ser submetido a testes de raio-X e outras análises para tentar definir a sua autoria.

A pintura foi limpada recentemente e tem como característica o estilo "chiaroscuro", típico da escola de Caravaggio e de seus seguidores. Os especialistas acreditam que, embora o quadro não seja uma obra do artista, pode ter sido feito por um dos seus seguidores, que provavelmente viveu na Campânia ou em outra região mais ao sul da Itália, talvez até na Sicília.

Na semana passada, o L''Osservatore Romano publicou um artigo dizendo que a pintura, mantida por vários anos na igreja jesuíta, poderia ser de autoria de Caravaggio, despertando a atenção dos críticos e colecionadores de arte no 400º aniversário da sua morte.

Ontem, o jornal reverteu seu ponto de vista, com um artigo do diretor dos Museus Vaticanos, Antonio Paolucci. "Um novo Caravaggio?", questionou. "Não de verdade", disse, qualificando a pintura como um trabalho "modesto", na melhor das hipóteses.

Tudo o que sabemos sobre:
quadroCaravaggioautenticidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.