Estudo culpa ONGs por caos no Haiti

Organização americana diz que só 27% das doações recebidas por 20 grandes ONGs foram efetivamente aplicadas no país caribenho

João Paulo Charleaux, O Estado de S.Paulo

25 de novembro de 2010 | 00h00

A epidemia de cólera que já matou mais de 1.400 pessoas e deixou 20 mil infectados poderia ter sido evitada se as dezenas de ONGs instaladas no Haiti desde o terremoto de janeiro tivessem usado as doações recolhidas nos últimos dez meses, é o que diz um levantamento feito pela Disaster Accountability Project (DAP).

Até julho - seis meses após o terremoto de 7 graus na escala Richter que devastou o país, matou 300 mil pessoas e deixou mais de 1,5 milhão de desabrigados - apenas 27% do total de fundos arrecadados por 20 ONGs que atuam no Haiti havia sido usado para evitar surtos e epidemias. O resto, de acordo com a DAP, permanecia em bancos.

A Cruz Vermelha Americana havia usado apenas US$ 117 milhões dos US$ 464 milhões arrecadados. Outra ONG, a Care EUA, tinha gasto apenas US$ 9,6 milhões dos US$ 36,5 milhões arrecadados. Outras 18 ONGs fazem parte da lista e seus presidentes são responsabilizados nominalmente pela DAP.

"Os doadores foram enganados. Eles fizeram doações em resposta aos apelos para salvar vidas e ajudar os haitianos depois de um terremoto devastador. Agora, depois que milhões foram arrecadados, os sobreviventes estão morrendo de cólera e o dinheiro ainda está no banco", acusou o diretor executivo do DAP, Ben Smilowitz.

O documento não menciona as promessas de doações feitas por inúmeros países, que não se concretizaram. Em maio, quatro meses depois do terremoto, apenas 1,5% dos US$ 10 bilhões prometidos por Estados tinham sido depositados, de acordo com dados do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud). Ontem, a ONU disse ter recebido menos de 10% do apelo de US$ 164 milhões feito dez dias atrás para atender especificamente às necessidades criadas pela epidemia de cólera.

A revelação é ainda mais grave quando se sabe que 80% dos casos poderiam ser combatidos com soro caseiro - uma mistura simples de sal, açúcar e água. A transmissão também pode ser contida com o simples uso de sabão para lavar as mãos, mas a maioria dos haitianos não pode pagar por uma barra de sabão de US$ 0,50 nos mercados de Porto Príncipe.

Grandes organismos de ajuda humanitária, como os Médicos Sem Fronteiras (MSF) e o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) não são citados pelo DAP. O diretor do MSF no Brasil, o canadense Tyler Fainstat, disse ao Estado que "a resposta das ONGs no Haiti não tem sido suficiente".

Segundo ele, a organização - que não recebe doações de Estados, apenas de doadores privados - responde atualmente por mais da metade dos atendimentos dos casos de cólera no país. "Atendemos a mais de 700 novas internações por dia e gastaremos todo o dinheiro arrecado depois do terremoto (US$ 137 milhões) até o fim do ano", disse.

O site da Care - cujo escritório nos EUA foi criticado no estudo - diz que a organização "ressalta a importância de o governo haitiano empenhar-se em uma aliança de longo prazo com organizações para resolver o problema da falta de água e das condições de higiene e saúde no país". Para a representante da Care no Haiti, Virginia Ubik, as soluções de longo prazo "devem ser atendidas pelo governo haitiano".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.