Yaser Al-Khodor/Reuters
Yaser Al-Khodor/Reuters

Estudo indica que 89% dos árabes têm visão negativa do Estado Islâmico

Pesquisa foi feita com 18.310 pessoas de Argélia, Egito, Iraque, Jordânia, Kuwait, Líbano, Mauritânia, Marrocos, Palestina, Arábia Saudita, Sudão e Tunísia

O Estado de S.Paulo

11 Abril 2017 | 20h43

WASHINGTON - Um novo estudo de opinião publicado nesta terça-feira indica que 89% dos árabes têm uma visão negativa ou muito negativa da organização terrorista Estado Islâmico (EI).

A enquete, realizada pelo Centro Árabe para Estudos de Pesquisas e Políticas (ACRPS) em Doha (Catar) e divulgada pelo Centro Árabe de Washington (ACW), foi feita com 18.310 pessoas de Argélia, Egito, Iraque, Jordânia, Kuwait, Líbano, Mauritânia, Marrocos, Palestina, Arábia Saudita, Sudão e Tunísia.

Em relação ao EI, grupo de cuja existência e atividade quase todos os indagados disseram estar a par, 80% expressaram uma opinião "muito negativa", enquanto 9% sustentou que era "negativa", 2% como "muito positiva" e 3% como "positiva".

Esta visão do grupo tem se mantido estável desde 2014, quando a pergunta foi acrescentada à consulta, que é realizada desde 2011, embora a percepção positiva ou muito positiva tenha caído de 11% para o atual 5%.

O diretor de pesquisa e análise da enquete, Imad Hard, assegurou que os resultados das pessoas favoráveis ao grupo terrorista não tinham correlação com o Islã, já que os que se identificaram como "não religioso" tinham as mesmas probabilidades que os religiosos de ter simpatia pelo EI.

De fato, quase 25% dos consultados atribuiu o recrutamento terrorista a dificuldades econômicas, 18% à "lavagem cerebral", enquanto 17% culpou a retórica religiosa, 11% às preocupações políticas internas, e os demais à marginalização e à desigualdade, ao extremismo individual e ao desejo de combater poderes estrangeiros.

Além disso, quase 60% da população árabe atribuiu a existência desse grupo extremista às políticas dos poderes estrangeiros, enquanto 29% disse que se devia aos conflitos internos no Oriente Médio.

Por outro lado, as opiniões sobre como combater o Estado Islâmico apareceram mais divididas, já que 17% acredita em uma resposta militar, 15% no fim da intervenção estrangeira na região e porcentagens similares na solução do problema palestino, na transição democrática e no fim da crise na Síria.

A sondagem, destinada a avaliar as atitudes e opiniões públicas da população árabe sobre assuntos diversos, tem uma margem de erro de entre 2% e 3%. / EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.