Bryan Denton/The New York Times
Bryan Denton/The New York Times

Estudo propõe mais impostos a famílias com menos de dois filhos na China

Medida para incentivar a natalidade no país foi publicada em jornal do Partido Comunista; fim da política de filho único não foi suficiente para aumentar o número de nascimentos

O Estado de S.Paulo

17 Agosto 2018 | 10h55

PEQUIM - Um grupo de pesquisadores universitários sugeriu a criação de um imposto especial para as famílias com menos de dois filhos na China, com o objetivo de incentivar a natalidade no país. O Xinhua Daily, jornal do Partido Comunista Chinês (PCC) da província de Jiangsu, publicou um artigo de dois professores com o título "Aumentar a fertilidade: um novo objetivo para o desenvolvimento demográfico da China na nova era".

Os autores do artigo sugerem criar uma taxa especial para pessoas com menos de 40 anos que não tiverem dois filhos. Esse imposto proporcionaria recursos para um fundo de apoio à maternidade. Depois do nascimento do segundo bebê, os contribuintes poderiam pedir a restituição do imposto, além de receber uma ajuda para compensar a perda de renda no período anterior.

A ideia recebeu inúmeras críticas nas redes sociais chinesas, como a Weibo, o equivalente ao Facebook no país. "Se o governo quer incentivar a natalidade, por que não pensa na inseminação artificial?", afirma um internauta.

Por causa do envelhecimento da população, a China derrubou há alguns anos sua antiga "política do filho único" e, desde 2015, os casais podem ter dois filhos. Mas a medida ainda não apresentou resultados suficientes para reduzir a queda da natalidade no gigante asiático. / AFP

Mais conteúdo sobre:
China [Ásia] natalidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.