Estudo vincula poluição a coágulos nas veias

O material particulado presente nosambientes mais poluídos pode provocar a formação de coágulosnas pernas, com consequências iguais às da chamada "síndrome daclasse econômica" (trombose gerada pela paralisação durantevôos), disseram pesquisadores na segunda-feira. Andrea Baccarelli, da Escola de Saúde Pública de Harvard(Boston), e seus colegas disseram ter descoberto estavinculação após examinarem 870 pessoas vítimas de tromboseentre 1995 e 2005 na Itália. Em comparação com 1.210 outras pessoas que viviam na mesmaregião e não tinham o problema, eles concluíram que um aumentode 10 microgramas de material particulado por metro quadrado emum ano correspondia a um aumento de 70 por cento no risco datrombose venosa. Além disso, o sangue das pessoas submetidas a uma maiorexposição de material particulado coagulava mais rapidamente emlaboratório, segundo artigo publicado na revista Archives ofInternal Medicine. A poluição atmosférica provocada por automóveis e fábricaspode conter minúsculas partículas de carbono, nitratos, metaise outros materiais aos quais a ciência atribui várias doenças. Embora inicialmente a preocupação fosse com doençaspulmonares, pesquisas posteriores indicaram que a poluição podeprovocar doenças cardíacas e derrames, possivelmente poraumentar a taxa de coagulação do sangue, disseram Baccarelli eseus colegas. No caso da "síndrome da classe econômica", a tromboseocorre não por causa do sangue, mas da falta de circulação, jáque o passageiro passa muitas horas seguidas com as pernascomprimidas num pequeno espaço. Os pesquisadores disseram que seu trabalho estabelece umfator de risco novo e muito comum, e "dá mais substância aosapelos por padrões mais rígidos e por esforços continuados comvistas à redução do impacto dos poluentes atmosféricos urbanossobre a saúde humana". (Reportagem de Michael Conlon)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.