Estupro brutal segue provocando protestos violentos na Índia

Uma semana depois do incidente, premiê foi à TV para pedir calma aos indianos.

BBC Brasil, BBC

24 de dezembro de 2012 | 09h57

Um estupro brutal ocorrido na Índia continua gerando fortes protestos da população, mesmo uma semana após o incidente.

No domingo, centenas de pessoas foram às ruas em diversas partes do país para pedir a pena de morte para os acusados.

Os manifestantes entraram em choque com a polícia. Um dos confrontos mais violentos ocorreu no monumento Porta da Índia, no coração da capital indiana, Nova Délhi. Mais de cem pessoas ficaram feridas, entre elas 60 oficiais.

Na segunda-feira, o premiê indiano, Manmohan Singh, foi à televisão para pedir calma aos indianos. O governo prometeu que vai buscar a pena de prisão perpétua para os acusados do crime.

Ele prometeu mais patrulhas noturnas e a proibição de cortinas e vidros escuros nos ônibus que circulam na cidade.

O caso que provocou a onda de protestos na Índia foi o estupro de uma atriz de 23 anos em um ônibus em Dwarka, na região sul da capital Délhi.

A polícia diz que ela foi estuprada pelos passageiros por quase uma hora, espancada com barras de metal e jogada para o lado de fora do ônibus com o veículo ainda em movimento.

Nova Délhi é conhecida na Índia como "capital do estupro" - com mais de um caso registrado a cada 18 horas. Só no ano passado, a polícia disse que ocorreram 550 denúncias de estupro na cidade. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
alsoÍndiaestuproprotestosNova Délhi

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.