ETA largou as armas em 2011

Há um ano, quando contava com menos de 200 ativistas, o grupo separatista basco ETA, fundado em 1959, decidiu unilateralmente abandonar a luta armada e pressionar politicamente pela independência da região autônoma. O País Basco, rico em reservas de carvão e de ferro, tem costumes diferentes do restante da Espanha. A língua da região - o euskera - não tem nenhuma similaridade com o espanhol, o catalão, o galego e o português, outros idiomas da Península Ibérica. Durante a ditadura franquista, entre 1939 e 1975, o governo central de Madri coibiu as manifestações de nacionalismo regional, principalmente no País Basco e na Catalunha. Ao longo de sua história, os atentados da ETA deixaram 825 mortos.

O Estado de S.Paulo

23 de outubro de 2012 | 03h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.