ETA tenta matanças em locais turísticos da Espanha

O grupo armado separatista basco ETA tentou duas matanças em duas localidades turísticas da Espanha, na costa do Mediterrâneo - ações que causaram a morte de um agente policial e para as quais o ETA utilizou parte da dinamite roubada na semana passada na França, informou hoje a polícia espanhola. Dois carros-bomba, com cerca de 20 quilos de dinamite cada um, foram colocados ontem na orla marítima de Rosas (em Gerona, na Catalunha) e de Gandia (em Valencia), em frente a dois hotéis - o de Rosas, com 200 hóspedes, e o de Gandia, em um local repleto de jovens que participavam das festas em homenagem ao Dia de São José. O ETA (Pátria Basca e Liberdade) avisou por telefone sobre a colocação do veículo em Rosas, e membros da polícia autônoma catalã cercaram a zona com cordões de isolamento e desalojaram os turistas dos hotéis e restaurantes das imediações em menos de 20 minutos. Sete minutos antes do horário advertido pelo ETA, o carro explodiu com tal força que um de seus estilhaços perfurou o abdome do policial Santos Santamaria, de 32 anos, que estava a 100 metros de distância, formando o cordão de proteção. Santamaria não estava em horário de serviço, pois pertencia a uma brigada judiciária, e só estava presente porque foi ajudar seus companheiros encarregados da segurança. Um segundo telefonema advertiu sobre a colocação de outro carro-bomba em Gandia, que não chegou a explodir devido a uma falha no detonador. Ali, supõe-se que ou o ETA pretendia provocar um massacre, devido ao grande número de jovens que circulavam pela região ou também planejavam uma armadilha para os policiais - que horas depois provocaram a explosão controlada do carro-bomba.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.