EUA aceitam opositor Carlos Vecchio como encarregado de negócios da Venezuela

Vecchio foi nomeado pelo presidente interino auto-proclamado, Juan Guaidó, neste domingo

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de janeiro de 2019 | 22h43

Washington (AFP) - Os Estados Unidos aceitaram o opositor venezuelano Carlos Vecchio como o encarregado dos negócios da Venezuela, nomeado pelo presidente interino auto-proclamado Juan Guaidó, informou neste domingo, 27, o secretário de Estado, Mike Pompeo.

"O senhor Vecchio terá autoridade sobre questões diplomáticas nos Estados Unidos em nome da Venezuela", disse o diplomata norte-americano em comunicado.

Pompeo disse que, após sua acreditação, Vecchio se reuniu com o subsecretário de Estado para Assuntos Políticos, David Hale, "que reafirmou o forte apoio dos EUA para a liderança do presidente interino Guaidó na Venezuela".

"Os Estados Unidos esperam trabalhar com o Sr. Vecchio e com o corpo diplomático indicado pelo presidente interino Guaidó", disse Pompeo.

Assim que Washington reconheceu Guaidó, Nicolás Maduro rompeu relações diplomáticas com os Estados Unidos e ordenou o fechamento da embaixada e de todos os consulados venezuelanos naquele país.

Lissette Hernandez, que estava no comando de negócios durante o governo de Maduro nos Estados Unidos, retornou a Caracas por ordem do Ministério das Relações Exteriores.

++ Suposto vídeo de Juan Guaidó rende memes e reduz tensão política na Venezuela

Líder da oposição, Vecchio, no exílio nos Estados Unidos desde 2014, é coordenador político do partido Voluntad Popular, liderado por Leopoldo Lopez, que está sob prisão domiciliar na Venezuela.

A designação de Vecchio ocorre após a Assembléia Nacional ter nomeado o advogado Gustavo Tarre Briceño como representante especial da Venezuela junto à Organização dos Estados Americanos (OEA).

++ EUA promete 'resposta significativa' se chavismo agredir oposição na Venezuela

Guaidó se diz pronto para liderar um "governo de transição" para organizar novas eleições em conformidade com o mandato constitucional, pelo qual ele pede apoio dos cidadãos e das Forças Armadas, consideradas o principal apoio de Maduro. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.