EUA aceitam suspender processos contra britânicos

Os Estados Unidos concordaram com a suspensão dos procedimentos judiciais contra os cidadãos britânicos suspeitos de terrorismo detidos na Base Naval de Guantánamo, Cuba, disse ontem um porta-voz do primeiro-ministro da Grã-Bretanha, Tony Blair. Mais tarde, o porta-voz da Casa Branca confirmou que Washington interromperá os processos contra os cidadãos britânicos e australianos detidos em Guantánamo. "Não haverá mais procedimentos judiciais contra os indivíduos envolvidos nas discussões pendentes entre as equipes de alto nível de Estados Unidos e Reino Unido para resolver todos os aspectos dos processos contra os nove" suspeitos de terrorismo, disse o porta-voz de Blair. O funcionário britânico falou sobre o assunto sob condição de anonimato durante a viagem da delegação de Blair entre Washington e Tóquio. O secretário de Imprensa da Casa Branca, Scott McClellan, viajando ao Texas ao lado do presidente dos EUA, George W. Bush, confirmou que o governo americano decidiu que, por enquanto, não dará seqüência aos julgamentos militares dos britânicos detidos em Guantánamo. De acordo com ele, debates similares deverão envolver cidadãos australianos detidos na base naval americana em Cuba.

Agencia Estado,

19 Julho 2003 | 15h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.