EUA acusados de forçar ataque ao Iraque

Em um novo documetário, um ex-inspetor de armamentos das Nações Unidas acusa os Estados Unidos de manipularem o organismo mundial para provocar uma confrontação com Saddam Husein, com o pretexto de iniciar ataques aéreos contra o Iraque. No documentário de 90 minutos, Scott Ritter, ex-oficial da inteligência da marinha norte-americana, diz que ele não provocou a confrontação que os EUA desejavam em março de 1998, mas afirmou que seu colega, o inspetor Roger Hill - um australiano - cumpriu tal tarefa em dezembro do mesmo ano.Dias depois, o chefe de inspetores da ONU, Richard Butler, declarou que o Iraque não estava cooperando com os inspetores de armamentos e, pouco depois, os EUA e a Grã-Bratanha lançaram ataques aéreos sobre o Iraque. Os inspetores da ONU saíram do país fugindo dos bombardeios, e o Iraque proibiu seu regresso durante mais de dois anos e meio. Butler, que era chefe de Ritter, rechaçou as afirmações como "totalmente falsas" e acusou Ritter de realizar "um filme de propaganda". A missão norte-americana na ONU declarou que não emitirá comentários sobre o documentário, que foi exibido ontem na sede do organismo.O produtor-executivo do filme, Tom Osborne, ex-jornalista e produtor da televisão ABC, disse que a ONU foi escolhida para a premier porque é "onde tudo começou, onde tudo continua".O documentário conta a história da Comissão Especial da ONU (Unscom), criada pelo Conselho de Segurança depois da Guerra do Golfo, em 1991, para supervisionar a destruição de armamentos biológicos e químicos iraquianos, assim como os mísseis para lançá-los. O conselho substituiu a Unscom, em dezembro de 1999, por uma nova agência: a Comissão de Inspeção, Verificação e Supervisão da ONU.Ritter afirmou que ele e seu ex-chefe, o inspetor de armamentos Rolf Ekeus, acreditavam que o Iraque estava "fundamentalmente desarmado" já em 1995. Ritter renunciou a seu cargo na Unscom em agosto de 1998, e acusou o governo do ex-presidente Bill Clinton de retirar seu apoio à agência da ONU e prejudicar a inspeção de armamentos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.