EFE/How Hwee Young
EFE/How Hwee Young

EUA acusam China de 'desestabilizar' relações entre aliados com Taiwan

Governo de El Salvador rompeu relações diplomáticas com o governo autônomo e se aliou a Pequim, ampliando a influência chinesa na América Central 

O Estado de S.Paulo

24 Agosto 2018 | 04h49

WASHINGTON - O governo dos Estados Unidos acusou a China de "desestabilizar as relações na região americana" após El Salvador romper relações diplomáticas com Taiwan para estabelecer laços com Pequim. A medida isolou o território autônomo e ampliou a influência chinesa na América Central.

"Os Estados Unidos continuarão a ser opôr à desestabilização das estreitas relações e a interferência política no hemisfério ocidental", disse a Casa Branca, em comunicado. "Esta é uma decisão que não afetará somente El Salvador, como também a saúde econômica e a segurança de toda a região americana."

A Casa Branca reafirmou que ainda está "reavaliando" seus laços diplomáticos e econômicos com El Salvador após o país romper com Taiwan.

O fim das relações diplomáticas entre o país centro-americano e o governo autônomo foi anunciado na noite de segunda-feira, 20, pelo presidente salvadorenho Salvador Sánchez Cerén. A medida ampliou a influência chinesa na região e isolou Taiwan ainda mais no cenário internacional. Atualmente, apenas 17 países consideram a ilha uma nação soberana.

Taiwan acusa a China de "comprar apoio diplomático" ao oferecer recursos financeiros e acordos comerciais a países que mantém vínculos com o governo autônomo. Neste ano, além de El Salvador, as nações africanas de Burkina Faso e República Dominicana também romperam relações diplomáticas com Taiwan para se aliar à China.

A China alega que Taiwan é parte de seu território e há décadas realiza esforços para retomar a ilha. //AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.