REUTERS/Christian Veron
REUTERS/Christian Veron

EUA acusam membros do governo venezuelano de desviar recursos de rede de alimentos

Segundo o secretário do Tesouro, funcionários corruptos estão desviando recursos de um programa estatal de distribuição de alimentos em meio à crise humanitária

O Estado de S.Paulo

19 Abril 2018 | 21h24

WASHINGTON - O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, afirmou nesta quinta-feira que compartilhou com representantes de diversas nações aliadas informações sobre "indivíduos corruptos" do regime de Nicolás Maduro na Venezuela que estão desviando recursos de um programa estatal de distribuição de alimentos à população, em meio à grave crise humanitária no país.

"Ações concretas são necessárias para restringir a habilidade de funcionários venezuelanos corruptos e suas redes de apoio de abusar do sistema financeiro internacional", disse o secretário em uma nota divulgada pelo Tesouro americano sobre uma reunião com autoridades de países como Brasil, Argentina, Colômbia, França, Alemanha, Reino Unido e Japão.

Ele destacou que os participantes da reunião concordaram com a necessidade de continuarem compartilhando informações sobre "ativos desses indivíduos e de suas redes". As sanções anunciadas mais recentemente pelos EUA contra a Venezuela, em 19 de março, tiveram como alvo o petro, moeda digital criada pelo governo de Maduro com lastro no petróleo do país.

"O presidente Maduro continua a recusar ofertas de assistência humanitária internacional para atender à saúde a ao bem-estar da população crescentemente empobrecida da Venezuela", diz Mnuchin. Para o secretário, a supervisão do governo à destinação de alimentos é usado como um mecanismo de "controle social".

+ Para entender: A Venezuela em cinco crises

A nota do Tesouro americano acrescenta ainda que credores privados ou públicos que ofereçam novos financiamentos ao regime Maduro "estarão emprestando para um governo que não tem legitimidade para tomar empréstimos em nome da Venezuela". / AP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.