EFE/KREMLIN
EFE/KREMLIN

EUA acusam Rússia de violar tratados após Putin anunciar novos mísseis

Segundo o Departamento de Estado, Moscou desenvolveu desestabilizadores sistemas de armamento nos últimos dez anos em violação direta de suas obrigações

O Estado de S.Paulo

02 Março 2018 | 00h50

WASHINGTON - O governo americano acusou nesta quinta-feira (1) a Rússia de ignorar suas obrigações internacionais durante um discurso de Vladimir Putin, no qual elogiou as novas armas "invencíveis", hipersônicas e submarinas desenvolvidas por seu país.

"Não consideramos isso como um gesto de um dirigente internacional responsável", afirmou Heather Nauert, porta-voz do Departamento de Estado, que também criticou que, ao fazer a apresentação, Putin usou uma animação que mostrava mísseis atingido o território dos Estados Unidos.

Segundo Nauert, a "Rússia desenvolveu desestabilizadores sistemas de armamento nos últimos 10 anos em violação direta de suas obrigações", que se desprendem dos tratados sobre controle de armas, em especial o assinado em 1987 por Washington e Moscou.

A porta-voz disse que o discurso de Putin ajudou a "confirmar o que os Estados Unidos já sabiam há tempo".

As palavras do líder russo não foram uma surpresa para o Pentágono: "essas armas estão em desenvolvimento há muito tempo", assegurou seu porta-voz, Dana White.

"Não estamos surpresos com essas declarações e os americanos podem ficar certos de que estamos completamente preparados", acrescentou, detalhando que a nova postura nuclear anunciada em fevereiro pelos Estados Unidos "levava em conta" essas armas russas.

Em seu discurso anual ao Parlamento, e a duas semanas das eleições presidenciais, Putin falou de suas prioridades, sobretudo econômicas e sociais, para o que pode ser seu próximo mandato.

Mas usou mais de uma hora, a metade do tempo que durou sua alocução, para gabar-se do novo armamento que o país está desenvolvendo, embora tenha declarado que esses esforços são uma "resposta" à atividade militar americana, cuja nova posição em termos nucleares tem sido denunciada por Moscou como "belicosa" e "antirrussa".

Apresentando novos tipos de mísseis de cruzeiro com "alcance ilimitado", minissubmarinos a propulsão nuclear e até uma arma laser "sobre a qual é muito cedo para dar detalhes", o presidente criticou a atitude dos ocidentais com a Rússia.

"Ninguém queria falar conosco, ninguém queria nos ouvir. Escutem agora!" - lançou, provocando uma longa ovação dos parlamentares reunidos em um edifício histórico próximo ao Kremlin.

O presidente destacou os progressos alcançados apesar das sanções ocidentais impostas por causa da crise ucraniana, sobretudo no setor da Defesa: "Tudo o que vocês tentaram para incomodar, impedir, bloquear a Rússia, não teve sucesso. Todos os trabalhos de reforço da capacidade defensiva da Rússia foram realizados e continuam sendo".

Putin acrescentou que a Rússia "não ameaça ninguém", não existe "nenhum plano para usar esse poder de maneira ofensiva".

A Rússia quer espalhar escudos antimísseis na Europa oriental e acaba de adotar uma nova doutrina militar para possuir novas armas nucleares de baixa potência. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.