EUA acusam taiwaneses por contrabando de armas

Dois empresários taiwaneses foramacusados por conspirar para comprar armas americanas eentregá-las ao Irã, no mais recente de uma série de casos decontrabando de armamentos frustrados pelas autoridades em meioàs ações geradas depois dos atentados terroristas de 11 desetembro de 2001 nos Estados Unidos. As acusações apresentadas por um grupo de investigadoresfederais em Baltimore são contra En-Wei Eric Chang, naturalizadoamericano e residente em Taiwan, e o taiwanês David Chu. Elessão acusados de tentar comprar radares, helicópteros de ataqueCobra e imagens de satélites espiões para Teerã, uma violação aoembargo americano contra o Irã. Chu foi detido durante uma operação em Guam, enquanto queChang continua foragido, disseram as autoridades. "A finalidade da conspiração era o enriquecimento mediante oenvio de aeronaves, helicópteros e partes de sistemas de armasao Irã, através de Taiwan e outros locais", afirma a acusação. As autoridades disseram que as acusações são um resultado deuma investigação de contrabando iniciada há um ano, já emobediência ao novo programa de cooperação desenvolvido pelos EUAdepois dos atentados de 11 de setembro, que estimula vendedoresde equipamentos militares americanos a informar sobre compras econsultas suspeitas. Segundo as autoridades, os taiwaneses levantaram suspeitaspela primeira vez quando um deles contactou uma empresa deMaryland perguntando sobre imagens de satélite de Teerã. Osagentes federais prepararam, então, uma empresa fictícia emMaryland, a qual foi contactada por Chang por correio eletrônicoa fim de comprar equipamentos de visão noturna, helicópterosmilitares, assim como antenas especiais usadas por pilotos paradetectar radares inimigos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.