EUA admitem mais uma morte em ataque com drone

O governo dos Estados Unidos admitiu pela primeira vez que quatro cidadãos norte-americanos foram mortos desde 2009 em ataques com sondas militares não-tripuladas, mais conhecidas como drones. Os bombardeios que resultaram em mortes de norte-americanos nos últimos anos foram perpetrados no Paquistão e no Iêmen.

Agência Estado

22 de maio de 2013 | 21h25

Até a revelação, sabia-se que os EUA haviam matado três de seus cidadãos em operações de combate ao "terrorismo". Numa carta a Patrick Leahy, presidente da Comissão de Justiça do Senado dos EUA, o secretário de Justiça Eric Holder revelou detalhes até então mantidos em segredo.

O caso revelado hoje envolve a morte de Jude Kenan Mohammed, um de oito homens indiciados em 2009 por suposto envolvimento num complô para atacar a base dos Corpos de Fuzileiros Navais dos EUA em Quantico, Virgínia.

Mohammad fugiu dos EUA e, segundo as informações divulgadas por Holder, teria aderido a uma milícia islâmica no Paquistão, onde morreu num bombardeio promovido por um drone norte-americanos. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAdrones

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.