EUA admitem não pressionar por resolução que ameace Assad

Pela primeira vez, Casa Branca e Kremlin dão sinais concretos de se aproximar de acordo sobre Síria

Jamil Chade, correspondente em Genebra,

13 Setembro 2013 | 18h20

GENEBRA - O governo americano admite que não irá pressionar por uma resolução na ONU que ameace Bashar Assad com o uso da força e, pela primeira vez, a Casa Branca e o Kremlin dão os primeiros sinais concretos de se aproximar a um acordo para colocar sob controle internacional o arsenal de Damasco, o que abriria o caminho para a retomada de um processo de paz na Síria.

Washington, porém, alertou: sem um acordo concreto, o presidente Barack Obama não apoiará negociações para uma solução política que permita uma transição política em Damasco.

O secretário de Estado americano, John Kerry, e o chanceler russo, Sergei Lavrov, conversaram nesta sexta-feira, 13, em busca de um consenso em Genebra em relação à Síria. Num raro momento de compromisso com uma proposta nos últimos dois anos, ambos terão terceiro dia decisivo de negociações. Tanto americanos quanto russos confirmaram que um acordo estava próximo.

Segundo fontes russas, alguns pontos de entendimento foram rapidamente obtidos, o que permitiria que as armas químicas dos sírios fossem colocadas sob controle internacional e que Damasco passe a aceitar inspeções. Há dois dias, Assad anunciou que pediu para aderir à Convenção para a Proibição de Armas Químicas.

Mas dúvidas em relação ao que ocorreria se Assad não cumprisse suas promessas ainda mantinha os dois lados afastados. "Estamos em um momento de intensas negociações", confirmou uma porta-voz do Kremlin. Segundo a Casa Branca, Kerry e Lavrov estão vivendo "um momento central" no conflito sírio.

A delegação americana confirmou que Obama não vai insistir em incluir numa resolução da ONU uma ameaça caso Damasco não cumpra seus compromissos de dar acesso às armas e as colocar sob controle internacional. Mas também não abriu mão de uma ação unilateral, caso todas as opções tenham sido esgotadas.

 

Mais conteúdo sobre:
SíriaEUARússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.