EUA admitem preocupação após teste de avião chinês

Os Estados Unidos expressaram ontem séria preocupação com o investimento da China na produção do J-20, supercaça invisível aos radares, e de outros equipamentos militares sofisticados. O chefe das Forças Armadas americanas, almirante Mike Mullen, afirmou ter se surpreendido com as imagens do primeiro teste de voo do J-20, na terça-feira, realizado poucas horas antes do encontro entre o secretário de Defesa, Robert Gates, com o presidente da China, Hu Jintao, em Pequim.

AE, Agência Estado

13 de janeiro de 2011 | 09h02

"A questão sempre presente é: por quê? Sei que a China tem seus próprios desafios, como um país emergente com influência global, e têm todo o direito de desenvolver sua capacidade de defender seus interesses, assim como os EUA", declarou. "Mas muitas dessas capacidades parecem estar focadas nos EUA", completou Mullen.

O teste do J-20 reduziu as chances de o governo americano extrair de Pequim um compromisso de diálogo na área militar. Esse seria um dos pontos fortes da visita de Hu ao presidente americano, Barack Obama, na semana que vem, em Washington. Mullen ressaltou que esse seria o tema "mais importante" da pauta bilateral, assim como o diálogo na área econômica. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAapreensãoavião chinês

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.