EUA adverte Coreia do Norte, mas diz procurar solução pacífica

O secretário de Estado dos Estados Unidos, John Kerry, prometeu neste domingo que seu país protegerá seus aliados na Ásia contra quaisquer atos de provocação da Coreia do Norte, mas ressaltou que o governo norte-americano quer uma solução pacífica para o problema do aumento da tensão na região.

ARSHAD MOHAMMED AND KIYOSHI TAKENAKA, Reuters

14 de abril de 2013 | 11h52

Há semanas a Coreia do Norte vem ameaçando atacar os Estados Unidos, a Coreia do Sul e o Japão, depois que novas sanções da ONU foram impostas ao país em resposta ao seu mais recente teste de armas nucleares, em fevereiro. Aumentam as especulações de que os norte-coreanos estariam preparando o lançamento de mais um míssil ou, então, um novo teste nuclear.

"Acho realmente lamentável que tenha havido tanto foco por parte da mídia e em outros lugares sobre o tema da guerra, quando deveríamos, na verdade, estar falando sobre a possibilidade de paz. E eu acho que há essa possibilidade", disse Kerry em entrevista à imprensa em Tóquio, após uma reunião com o chanceler japonês, Fumio Kishida.

A visita de Kerry ao Japão é a parada final de uma turnê pela Ásia que visa solidificar o apoio à interrupção do programa nuclear da Coréia do Norte, e também tranquilizar os aliados dos EUA na região.

Kerry afirmou que os EUA farão "o que for necessário" para defender o Japão e a Coréia do Sul, mas acrescentou: "A nossa escolha é a negociação, a nossa escolha é a de ir sentar à mesa e encontrar uma forma de a região ter paz".

Kerry também procurou esclarecer os comentários que fez em Pequim, no sábado, que alguns interpretaram como uma indicação de que ele poderia estar propondo a remoção do recente aumento da capacidade norte-americana em mísseis na Ásia, se a China convencer a Coréia do Norte de abandonar seus programas atômicos.

O Departamento de Defesa dos EUA (Pentágono) anunciou nas últimas semanas planos para posicionar destróieres com sistemas de mísseis Aegis no Pacífico ocidental e um sistema conhecido como Defesa Terminal de Alta Altitude (Thaad, na sigla em inglês), em Guam.

"O presidente dos Estados Unidos instalou alguma capacidade adicional de mísseis de defesa precisamente por causa da ameaça da Coréia do Norte. E é lógico que se a ameaça da Coréia do Norte desaparece, porque a península (coreana) se desnucleariza, então, obviamente, que essa ameaça não requer mais esse tipo de atitude. Mas não houve acordos, nenhuma conversa, não há nada realmente na mesa quanto a isso", disse Kerry.

Kishida, do Japão, declarou na mesma entrevista que os dois aliados querem que a Coreia do Norte abandone suas ambições nucleares.

"Nós concordamos que a Coreia do Norte deve pôr fim a seu discurso e comportamento provocativos e mostrar que está tomando medidas concretas para a desnuclearização", disse ele. "Não podemos permitir que a Coreia do Norte de modo algum possua armas nucleares".

A Coreia do Norte reiterou não ter nenhuma intenção de abandonar seus programas de armas nucleares.

Tudo o que sabemos sobre:
COREIASEUACHINA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.