EUA advertem Coreia do Norte sobre segundo teste nuclear

Para representante americano, realização de novo teste colocaria a estabilidade da região asiática em risco

Efe,

12 de maio de 2009 | 02h55

Os Estados Unidos advertiram a Coreia do Norte sobre a realização de um segundo teste nuclear. O representante especial dos Estados Unidos para a Coreia do Norte, Stephen Bosworth, disse nesta terça-feira, 12, para Pyongyang não realizar mais um teste, pois seria "a direção equivocada" para a estabilidade da região asiática.

 

Veja também

linkCoreia do Norte promete reforçar arsenal nuclear

especial Especial: As armas e ambições das potências nucleares

lista Conheça o arsenal de mísseis norte-coreano

 

"Tenho muitas esperanças de que a Coreia do Norte não fará outro teste (nuclear). Acho que seria um passo na direção equivocada", disse Bosworth em Tóquio antes de retornar a Washington, segundo a agência local Kyodo.

 

O funcionário americano ressaltou que os outros participantes do diálogo de seis lados estão convencidos de que "a conversa e a negociação (com a Coreia do Norte) são os únicos métodos adequados para resolver as questões pendentes".

 

O processo de diálogo de seis lados - que começou em 2003 e tem a participação das duas Coreias mais EUA, Japão, China e Rússia - está estagnado desde dezembro, devido à falta de avanços na verificação da desnuclearização do regime comunista.

 

Pyongyang anunciou em 14 de abril que abandonava o diálogo de seis lados como represália à condenação do Conselho de Segurança das Nações Unidas por seu lançamento, no dia 5 de abril, de um foguete de longo alcance.

 

A Coreia do Norte ameaçou ainda realizar um novo teste nuclear e lançar um míssil intercontinental caso o Conselho de Segurança não se desculpe.

 

O regime stalinista realizou seu primeiro teste nuclear em outubro de 2006, o que gerou sanções da ONU. Bosworth pediu também que Pyongyang volte em breve à mesa de negociações para sua desnuclearização.

 

"Estamos comprometidos com o diálogo e estamos obviamente interessados em voltar à mesa de negociações o mais rápido possível", disse. "Mas esta decisão não depende só de nós, depende também da Coreia do Norte", concluiu.

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do NortedesnuclearizaçãoEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.