EUA advertem israelenses: não matem Arafat

Um dia depois de o primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon, ter voltado a ameaçar "tomar medidas" contra o líder palestino, Yasser Arafat, o governo americano advertiu Israel de que não apóia o assassinato ou exílio do presidente da Autoridade Nacional Palestina. Hoje, em novas declarações de Sharon publicadas pela imprensa israelense, ele deixou claro que Arafat é agora "um homem marcado".Em entrevista a repórteres em Washington, o subsecretário americano de Estado, Richard Armitage, afirmou: "Nossa posição em tais questões - o exílio e o assassinato de Yasser Arafat - é muito bem conhecida. Nós nos opomos e nós deixamos isso claro para o governo de Israel?."Eu não diria a ele que se sinta protegido. Eu não proporia a nenhuma empresa que fizesse o seguro dele", disse Sharon ao diário Haaretz. "Quem mata um judeu ou ataca a um cidadão israelense ou envia alguém para matar judeus é um homem marcado."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.