EUA ainda não têm meios para enfrentar Al-Qaeda, diz CIA

O diretor da principal agência de inteligência americana, a CIA, George Tenet, disse, na comissão que investiga os atentados de 11 de setembro de 2001, que os EUA continuam sem ter os recursos necessários para enfrentar de forma eficiente a rede Al-Qaeda e outras ameaças terroristas. Tenet, diretor da CIA desde 1997, disse que ainda serão necessários "mais cinco anos para se ter o tipo de serviço secreto que nosso país precisa" e para que se possa infiltrar as organizações terroristas."O mesmo pode se dizer sobre a Agência de Segurança Nacional e sobre nossa comunidade de inteligência", disse Tenet, que reconheceu que nenhuma das agência de informação recebeu pista sobre os planos do 11 de setembro. "Todos sabíamos da intenção de Osama bin Laden de atacar os EUA, mas falhamos em traduzir este conhecimento numa defesa eficiente do país", acrescentou.O audiência com Tenet se deu meio às crescentes críticas contra a CIA e o FBI pela falta de coordenação nos meses que antecederam os ataques. Dias antes, os membros da comissão divulgaram um relatório segundo o qual há indícios suficientes de que alguma ação poderia ter sido tomada para evitar os ataques, mas entraves burocráticos impediram que os dois organismos coordenassem as informações que tinham.O documento destaca ainda que os EUA estavam bem preparados para responder a uma guerra convencional, mas não tinham os mecanismos necessários para evitar atentados terroristas com as características dos de 11 de setembro. "Com a exceção significativa de possíveis ataques com armas químicas, biológicas, radiológicas ou nucleares, os métodos desenvolvidos durante décadas para prevenir ataques-surpresa não se aplicaram à prevenção de atentados terroristas", afirma o relatório.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.