EUA ajudarão a investigar sumiço de avião indonésio

Autoridades da área de segurança no transporte dos Estados Unidos chegaram em Sulawesi, na Indonésia, neste sábado, para ajudar a investigar o sumiço de um avião com 102 pessoas a bordo. O Boeing 737-400, de 17 anos, era operado pela empresa indonésia Adam Air e desapareceu na segunda-feira em meio ao mau tempo. O piloto não transmitiu um pedido de socorro e não havia sinais dos sinalizadores de emergência que ajudassem a equipe de resgate a vasculhar as selvas, montanhas e mares em Sulawesi para encontrar a aeronave. No que autoridades disseram ser sua última conversa com o controle de tráfego aéreo em Makassar, o piloto disse que havia se deparado com ventos cruzados e precisava de coordenadas seguras. O radar continuou a seguir o vôo por algum tempo depois disso. A última comunicação da aeronave foi um sinal do seu sinalizador de emergência, que foi captado por um satélite de Cingapura e enviado para Jacarta. Desde então não foi captado mais nada. O chefe da base aérea em Makassar, Eddy Suyanto, disse que o avião mudou sua rota duas vezes depois de se deparar com o mau tempo. A equipe norte-americana vai trabalhar com a comissão de segurança de transporte da Indonésia para investigar vários aspectos da aparente queda, inclusive aspectos de engenharia, operacionais e meteorológicos, disse a[ Reuters Setyo Rahardjo, chefe do comitê de segurança nos transportes. "Mesmo se levar um mês temos que continuar procurando porque precisamos encontrar esse avião. Isso virou uma questão nacional", disse o vice-presidente Jusuf Kalla aos envolvidos nos trabalhos de resgate em Makassar, a maior cidade de Sulawesi, de onde os esforços de busca estão sendo coordenados. "Um avião não pode simplesmente desaparecer assim. Se estiver no mar, estará no mar. Temos de trabalhar de maneira eficiente."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.