EUA alertam sobre ataque terrorista pela internet

O governo dos EUA alertou nesta quinta-feira sobre um possível ataque pela internet ao mercado financeiro americano, de autoria de um grupo muçulmano radical. Mas funcionários afirmaram que a ameaça não estava confirmada e parecia não impor riscos imediatos.A notícia foi divulgada à indústria de cybersegurança dos EUA após funcionários do governo terem visto um "post" em um "web site jihadista" conclamando por um ataque ao mercado financeiro, baseado na internet, e em sites de bancos no mês de dezembro, segundo afirmações do porta-voz do Departamento de Segurança Interna Russ Knocke.Não há informações que confirmem a ameaça, disse Knocke, acrescentando que o alerta foi dado "como um procedimento de rotina e por um excesso de precaução. Não há ameaça imediata ao nosso país no momento."Outro funcionário do governo afirmou que a ameaça apareceu em um site que pedia aos muçulmanos que destruíssem os sites econômicos americanos. Os ataques seriam em retaliação aos presos muçulmanos em Guantánamo, Cuba, onde estão os prisioneiros acusados de laços com grupos terroristas.Os ataques deveriam acontecer em dezembro, "até o final do ano infiel", dizia o site, de acordo com uma tradução do governo americano. A mensagem pedia que vírus fossem usados para penetrar nos sites da internet para destruir informações armazenadas.O alerta foi lançado pela Equipe de Prontidão de Emergência de Computadores dos EUA, uma parceria entre a indústria privada e algumas agências do governo. Sua sede fica no Departamento de Segurança Interna, e tem a função de alertar os sites sobre vírus e ouros ataques à internet.Porta-vozes das bolsas de valor americanas se recusaram a comentar a ameaça cyber-terrorista.As bolsas de valor e instituições financeiras fortaleceram a segurança física após os ataques terroristas de 11 de Setembro, e uniram as forças para proteger a tecnologia de dados e informações. O colapso do World trade Center inicialmente prejudicou a comunicação entre as empresas de Wall Street e seus centros de dados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.