REUTERS/Aly Song
REUTERS/Aly Song

EUA alertaram para problemas em laboratório de Wuhan que estudava coronavírus

Dois anos antes da atual pandemia, diplomatas do Departamento de Estado visitaram laboratórios e identificaram problemas de segurança

Josh Rogin, Washington Post, O Estado de S.Paulo

15 de abril de 2020 | 13h20

WASHINGTON - Dois anos antes da atual pandemia de coronavírus tomar conta do mundo, funcionários da Embaixada dos EUA visitaram várias instalações de pesquisa chinesas na cidade de Wuhan e enviaram duas advertências oficiais a Washington sobre segurança inadequada no laboratório, que estava conduzindo estudos de risco sobre coronavírus em morcegos.

Os telegramas alimentaram discussões dentro do governo dos EUA sobre se este ou outro laboratório de Wuhan seria a fonte do vírus - mesmo que provas conclusivas ainda não tenham surgido.

Em janeiro de 2018, a Embaixada dos EUA em Pequim deu o passo incomum de enviar repetidamente cientistas diplomatas dos EUA para o Instituto Wuhan de Virologia (WIV), que em 2015 se tornara o primeiro laboratório da China a alcançar o mais alto nível de segurança internacional em pesquisa (conhecida como BSL -4). 

A WIV divulgou um comunicado de imprensa em inglês sobre a última dessas visitas, ocorrida em 27 de março de 2018. A delegação dos EUA foi liderada por Jamison Fouss, cônsul geral em Wuhan, e Rick Switzer, conselheiro de embaixada em meio ambiente, ciência e tecnologia e saúde. Na semana passada, a WIV apagou essa declaração de seu site, embora permaneça arquivada na Internet.

O que as autoridades americanas descobriram durante suas visitas os preocupou tanto que eles enviaram dois telegramas diplomáticos confidenciais para Washington.

Os telegramas alertaram sobre os pontos fracos de segurança e gerenciamento no laboratório da WIV e propuseram mais atenção e ajuda. O primeiro telegrama, que eu obtive, também alerta que o trabalho do laboratório em coronavírus em morcegos e sua potencial transmissão humana representou um risco de uma nova pandemia semelhante à SARS.

“Durante as interações com os cientistas do laboratório da WIV, eles observaram que o novo laboratório tem uma séria escassez de técnicos e pesquisadores treinados adequadamente, necessários para operar com segurança esse laboratório de alta contenção”, afirma o telegrama de 19 de janeiro de 2018, elaborado por dois funcionários das seções de meio ambiente, ciência e saúde da embaixada que se reuniram com os cientistas da WIV. (O Departamento de Estado se recusou a comentar sobre este e outros detalhes da história.)

Pesquisas com coronavírus em laboratório chinês

Os pesquisadores chineses da WIV estavam recebendo assistência do Laboratório Nacional Galveston, no ramo médico da Universidade do Texas e de outras organizações dos EUA, mas os chineses solicitaram ajuda adicional. Os telegramas diziam que os Estados Unidos deveriam dar mais apoio ao laboratório de Wuhan, principalmente porque suas pesquisas sobre coronavírus em morcegos eram importantes, mas também perigosas.

Como o telegrama observou, os visitantes dos EUA se reuniram com Shi Zhengli, chefe do projeto de pesquisa, que vinha publicando estudos relacionados a coronavírus em morcegos por muitos anos. Em novembro de 2017, pouco antes da visita das autoridades americanas, a equipe de Shi publicou uma pesquisa mostrando que os morcegos-ferradura coletados em uma caverna na província de Yunnan eram provavelmente da mesma população de morcegos que gerou o coronavírus SARS em 2003.

“O mais importante”, afirma o telegrama, “os pesquisadores também mostraram que vários coronavírus do tipo SARS podem interagir com o ACE2, o receptor humano identificado pelo SARS-coronavírus. Esse achado sugere fortemente que os coronavírus do tipo SARS dos morcegos podem ser transmitidos aos seres humanos e causar doenças do tipo SARS. Do ponto de vista da saúde pública, isso torna a vigilância contínua dos coronavírus do tipo SARS em morcegos e o estudo da interface animal-humano crítico para a futura previsão e prevenção de surtos de coronavírus emergentes ”.

A pesquisa foi projetada para evitar a próxima pandemia do tipo SARS, antecipando como ela poderia surgir. Mas mesmo em 2015, outros cientistas questionaram se a equipe de Shi estava correndo riscos desnecessários. Em outubro de 2014, o governo dos EUA impôs uma moratória ao financiamento de qualquer pesquisa que torne um vírus mais mortal ou contagioso, conhecido como experimentos de "ganho de função".

“Como muitos apontaram, não há evidências de que o vírus que agora assola o mundo tenha sido modificado; os cientistas concordam amplamente que veio de animais. Mas isso não é o mesmo que dizer que o vírus não veio do laboratório, que passou anos testando o vírus do coronavírus em morcegos e animais”, disse Xiao Qiang, cientista da Escola de Informação da Universidade da Califórnia em Berkeley.

"O telegrama nos diz que há muito tempo há preocupações sobre a possibilidade da ameaça à saúde pública resultante da pesquisa deste laboratório, e que ela não estava sendo conduzida e protegida adequadamente", disse ele.

Existem preocupações semelhantes com o laboratório do Centro Wuhan para Controle e Prevenção de Doenças, que opera no nível de biossegurança 2, um nível significativamente menos seguro do que o padrão de nível 4 reivindicado pelo laboratório Wuhan Insititute of Virology, disse Xiao. 

Entender de onde surgiu o atual coronavírus

Isso é importante porque o governo chinês ainda se recusa a responder perguntas básicas sobre a origem do novo coronavírus, enquanto suprime qualquer tentativa de examinar se um ou outro laboratório estava envolvido.

Fontes familiarizadas com os telegramas disseram que deveriam soar um alarme sobre as graves preocupações de segurança no laboratório da WIV, especialmente em relação ao seu trabalho com coronavírus de morcego. Os funcionários da embaixada pediam mais atenção dos EUA para este laboratório e mais apoio para ajudá-lo a resolver seus problemas.

"O telegrama foi um tiro de alerta", disse uma autoridade dos EUA ao Washington Post. "Eles estavam implorando às pessoas para prestarem atenção ao que estava acontecendo."

Nenhuma assistência extra aos laboratórios foi fornecida pelo governo dos EUA em resposta. Os telegramas começaram a circular novamente dentro do governo nos últimos dois meses, enquanto funcionários debateram se o laboratório poderia ser a origem da pandemia e quais seriam as implicações para a resposta da pandemia dos EUA e as relações com a China.

Dentro do governo Trump, muitas autoridades de segurança nacional suspeitam há muito tempo que o laboratório da WIV ou do Centro de Controle e Prevenção de Doenças de Wuhan foi a fonte do novo surto de coronavírus. 

Segundo o New York Times, a comunidade de inteligência não forneceu evidências para confirmar isso. Mas um alto funcionário do governo me disse que os telegramas fornecem mais uma evidência para apoiar a possibilidade de que a pandemia seja o resultado de um acidente de laboratório em Wuhan.

“A ideia de que era apenas uma ocorrência totalmente natural é circunstancial. A evidência que vazou do laboratório é circunstancial. No momento, há uma série de dúvidas e perguntas sem resposta sobre essa história”, disse o funcionário.

A história original do governo chinês - de que o vírus emergiu de um mercado de frutos do mar em Wuhan - tem problemas. Pesquisa de especialistas chineses publicada no jornal médico Lancet em janeiro mostrou que o primeiro paciente conhecido, identificado em 1º de dezembro, não tinha conexão com o mercado, nem mais de um terço dos casos no primeiro grande surto. Além disso, o mercado não vendia morcegos.

Shi e outros pesquisadores do WIV negaram categoricamente que este laboratório era a origem do novo coronavírus. Em 3 de fevereiro, sua equipe foi a primeira a denunciar publicamente que o vírus conhecido como 2019-nCoV era um coronavírus derivado de morcego.

Enquanto isso, o governo chinês bloqueou totalmente as informações relacionadas às origens do vírus. Pequim ainda não forneceu aos especialistas dos EUA amostras do novo coronavírus coletado desde os primeiros casos. 

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

O laboratório de Xangai que publicou o novo genoma do coronavírus em 11 de janeiro foi rapidamente fechado pelas autoridades para "retificação". Vários médicos e jornalistas que relataram a disseminação no início desapareceram.

Em 14 de fevereiro, o presidente chinês Xi Jinping pediu a aceleração de uma nova lei de biossegurança. Na quarta-feira, a CNN informou que o governo chinês impôs severas restrições exigindo aprovação antes de qualquer instituição de pesquisa publicar qualquer coisa sobre a origem do novo coronavírus.

“A história da origem não é apenas sobre culpa. É crucial entender como a nova pandemia de coronavírus começou, porque isso informa como impedir a próxima. O governo chinês deve ser transparente e responder às perguntas sobre os laboratórios de Wuhan, porque são vitais para nossa compreensão científica do vírus”, disse Xiao.

“Não sabemos se o novo coronavírus se originou no laboratório de Wuhan, mas o telegrama apontou para o perigo dessas pesquisas e aumenta o ímpeto para descobrir”, disse ele.

"Não acho que seja uma teoria da conspiração. Acho que é uma pergunta legítima que precisa ser investigada e respondida ”, afirmou. "Entender exatamente como isso se originou é um conhecimento crítico para impedir que isso aconteça no futuro."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.